Fazenda Futuro vai fornecer alimentos para instituições e capacitar apenados da capital

30 de janeiro de 2014 | 145 Visualizações

Inicialmente 20 apenados do semiaberto estão trabalhando nas terras, mas esse número será ampliado gradativamente, inclusive chegando aos presos do regime fechado, de acordo com a classificação de cada um.

A determinação do chefe do Executivo é a agilização nos trabalhos para que em pouco tempo a terra esteja preparada para receber a semeadura de vários cultivos, as novilhas, aves e escavação dos tanques para a piscicultura, além das agroindústrias para beneficiamento da produção. Para que isso aconteça, na reunião que manteve com a diretora Executiva  Mary Braganhol, da secretaria de Agricultura, Pecuária, Desenvolvimento e Regularização Fundiária; e os secretários Sirlene Bastos, adjunta de Justiça; Francisco Sales, adjunto do Desenvolvimento Ambiental; Francisco Coutinho, da Emater; os coordenadores de Reinserção Social, Alessandro Martins; e do Programa  Fazenda Futuro, Lourival Milhomem; além do gerente do Sistema Regional Prisional, Maurício Silva. Confúcio Moura estabeleceu metas e prazos para a execução dos trabalhos, para que se aproveite ao máximo os períodos próprios para a plantação e os recursos financeiros que poderão ser disponibilizados para o programa.

Produção diversificada

A Fazenda Futuro tem atualmente 50 mil pés de abacaxis, plantação de mandioca, feijão, banana e maracujá, mas a área será ampliada para novas culturas, como goiaba, cupuaçu, laranja, limão, rambutã (rambutan). A plantação de abacaxi será ampliada para pelo menos 500 mil pés, ainda este ano.  Também serão cultivas hortaliças com várias espécies.

Os recursos para a implantação e desenvolvimento do programa serão do Estado, alocados junto às secretarias envolvidas, através de convênios. O madeiramento para construção de pontes, cercas e currais virá da Santo Antonio Energia.  Equipamentos agrícolas também serão disponibilizados pelo Estado, alguns para início dos trabalhos, como aberturas de tanques para criação de peixes e preparação da terra, mas o governador demonstrou interesse em manter algum tipo de equipamento na área, apesar da necessidade da ocupação da mão de obra carcerária.

A reunião definiu que a Fazenda Futuro terá plantações diversas de frutas e olericultura. Criação de vacas leiteiras, peixes em cativeiro, inclusive com área destinada especialmente ao pirarucu, além de aves e suínos. Ainda serão implantadas algumas agroindústrias para beneficiamento da produção como o leite, o peixe e outros. O mercado consumidor dos produtos da Fazenda Futuro será o próprio sistema prisional, hospitais e posteriormente escolas.

Capacitação e Ressocialização

Outros órgãos estaduais como Caerd, DER e Idaron estão sendo convocados para apoiarem a execução do projeto.  “É um trabalho de governo e precisamos da atuação de todo o Estado”, destacou o governador Confúcio Moura, que está muito empolgado com o programa. Já há algum tempo ele tem estado preocupado com a grande quantidade de presos no Estado e pedido aos assessores diretos a elaboração de projetos que ocupem os apenados e contribuam para a ressocialização dos presos. “No caso da fazenda, o que se espera é que os apenados sejam capacitados para o desenvolvimento da atividade agrícola junto aos seus familiares após o cumprimento da pena, sendo reintegrados à sociedade e tendo uma profissão a que se dedicarem”, salientou Confúcio, quando conversou ainda com os apenados que já estão em atividades na fazenda.

São 3.500 apenados em Porto Velho. A previsão, segundo a secretária adjunta da Sejus, Sirlene Bastos, é que em fevereiro 30 apenados do presídio Vale do Guaporé sejam inseridos no programa e gradativamente, a cada mês e de acordo com a necessidade de mão de obra outros sejam encaminhados para as atividades da fazenda, prestigiando não só os presos do regime semiaberto, mas também os do regime fechado. De acordo com a secretária, os critérios para ser beneficiado fazem parte de uma avaliação contínua dos presos e que será apresentada à população carcerária nos próximos dias.

Texto: Alice Thomaz


Fonte
Decom - Governo de Rondônia

Categorias
Governo, Rondônia


Compartilhe


Twitter
Facebook
Youtube
YouTube