Governo de Rondônia
Sexta, 18 de janeiro de 2019

Turbeculose

Governo do Estado de Rondônia

A tuberculose continua a merecer especial atenção dos profissionais de saúde e da sociedade como um todo. Ainda obedece a todos os critérios de priorização de um agravo em saúde pública, ou seja, grande magnitude, transcendência e vulnerabilidade.

Doença infecciosa e transmissível causada pela bactéria M. Tuberculosis ( bacilo de Koch).

Pode atingir vários órgãos do corpo, mais tem preferência pelo pulmão.

É transmitida pelo ar, através da tosse, fala ou espirro de uma pessoa com tuberculose pulmonar bacilífera (BK positivo) que está sem tratamento. Principais exames para o diagnóstico Baciloscopia de escarro e Rx de tórax para sintomáticos respiratórios que apresentam tosse por mais de 03 semanas.

Principais sintomas:

  • Tosse com catarro por mais de 03 semanas;
  • Falta de apetite;
  • Emagrecimento;
  • Dor no peito;
  • Suor noturno;
  • Cansaço fácil;
  • Febre baixa, geralmente durante a tarde.

Todas as pessoas que moram com um doente com tuberculose precisam ser examinadas, pois elas podem ter sido contaminadas com o bacilo antes do início do tratamento.

Expandir o tratamento supervisionado para todos os municípios é de grande importância, pois os pacientes com tratamento diretamente observado esta sobe o controle e acompanhamento da equipe de saúde e tem melhores chances de cura e conseqüentemente a redução de abandono para contribuir na redução da transmissão da doença.

No Brasil é preconizada a cura de 85% e o abandono inferior a 5% o estado de Rondônia não conseguiu ainda alcançar estas metas pactuadas e para melhorar os seus indicadores é de suma importância que a ESF assuma a tuberculose com prioridade realizando o tratamento diretamente observado.

O tratamento é gratuito com duração de 06 meses e esta disponível nas unidades de saúde da rede básica.

Em todo o Brasil é sempre presente a soberania de casos notificados como tuberculose com maior incidência no sexo masculino prevalecendo aqui em Rondônia no decorrer dos anos avaliados.

Os casos de tuberculose pulmonar bacilífera são responsáveis pela alta transmissão da doença em meio extradomiciliar. Dessa forma a investigação epidemiológica dos contatos é necessária para identificar precocemente a infecção de forma a impedir a propagação da doença.No ano de 2010 foi pactuado em PAVS examinar 70% dos contatos, a meta não foi alcançada mais ainda pode ser trabalhado neste mês de setembro que é o período de fechamento dos dados de 2010.

Avanços

  • Implantação do programa controle de tuberculose em três UP ( presídio) e a criação de um laboratório no Urso Panda para realizar exame de escarro levando-se em conta a dificuldade de acesso nos privados de liberdade, para atender ao sistema prisional;
  • Melhorias na estrutura física e nas condições de armazenamento dos medicamentos;
  • Implantação do teste rápido para HIV;
  • Implantação da cultura pelo método de Ogawa nos municípios de Cacoal e Ji-Paraná/RO

Desafios

  • Descentralização das ações de controle da tuberculose para a Atenção Básica;
  •  Aumentar a taxa de cura de 75,5% para 85%;
  • Implantação e implementação do TDO (tratamento Diretamente Observado) nas unidades de saúde;
  • Incrementar o acompanhamento SINAN;
  • Reduzir o abandono para 5% para isso se faz necessário o tratamento diretamente observado;
  • Expandir a realização da baciloscopia na rede de laboratório dos municípios;
  • Reimplantar a referência e contra referência

Compartilhe


Twitter
Facebook
Youtube