Governo de Rondônia
Terça, 18 de maio de 2021

PESCADO PROGRESSO

Agroindústria muda a vida de família rural em Porto Verde, na zona Leste de Porto Velho

08 de novembro de 2016 | Governo do Estado de Rondônia

A alegria que se vê no rosto de dona Nara Regina de Souza Cruz pode resumir o seu sentimento com o sucesso da mais nova agroindústria de Porto Velho.

“A primeira regularizada no estado”, orgulha-se em dizer Jhonnescley Annes de Moraes, gerente da Emater/Porto Verde, escritório responsável pelo atendimento à família.

Nara contabiliza conquista com a instalação da agroindústria com incentivo do governo estadual

Nara aproveitou incentivos do governo estadual para regularizar a agroindústria de pescado

Apesar de pouco tempo de atividade, a agroindústria Pescado Progresso já produz 200 quilos/dia de filé de peixe, garantindo o sustento da família.

Residente em Rondônia desde os 13 anos de idade, Nara saiu com a família da cidade de Itacoatiara (AM) em busca de novas oportunidades. Já em Porto Velho, casou-se e comprou um pequeno sítio para começar sua nova vida.

“Ela começou as atividades no sítio com plantio de horta, macaxeira, frutas e criação de galinha”, conta a extensionista da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RO), Tesa Mafessoni Leite Calistro, responsável pelos primeiros projetos elaborados na propriedade.

Assim que chegou ao estado, Nara foi inserida no mutirão Arco Verde Terra Legal – ação que deu início a uma série de políticas públicas de estímulo a um modelo de produção sustentável, coordenada pelos Ministérios do Desenvolvimento Agrário (MDA) e de Meio Ambiente (MMA). Inserida nesse processo, ela começou a receber assistência técnica da Emater-RO.

“O sitio já tinha a perfuração de tanques, então iniciamos um projeto para legalizar um hectare de lâmina d’água e iniciar a atividade de piscicultura”, disse Tessa.

A princípio ela começou a criação de peixes apenas para sustento da família. Em 2013, orientada pela Emater-RO, começou a entregar a produção excedente para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e já no ano seguinte foi inserida no Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), aumentando sua renda com a comercialização de peixe in natura.

A atividade trouxe ânimo para a família, mas as exigências dos programas não permitiam a entrega de peixe in natura. Foi aí que ela decidiu filetar o pescado e a comercializar o peixe beneficiado. A ideia deu certo e despertou nela o interesse na instalação de uma agroindústria a fim de ampliar sua produção. Reuniu a família – marido, três filhos, nora e um cunhado – e mais uma vez buscou na Emater-RO a orientação que precisava.

AGROINDÚSTRIA

O processo para instalação da agroindústria foi feito pelo governo estadual utilizando as políticas públicas da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), executadas pela Emater-RO em parceria com a prefeitura de Porto Velho. A extensionista da Emater-RO Tessa Calistro ficou com a responsabilidade técnica do empreendimento, e com apoio dos colegas do escritório de Porto Verde deu a assistência necessária para a regularização da agroindústria, inclusive com o manual de boas práticas de fabricação.

A Pescado Progresso está localizada na Linha Progresso, km 2,5, em Porto Verde, próximo ao bairro Ulisses Guimarães, na capital. Possui capacidade para produzir mil quilos de peixe filetado por dia, mas por estar apenas iniciando as atividades sua produção hoje é de cerca de 200 quilos/dia com beneficiamento de pirarucu, tambaqui, filhote, entre outros.

A produtora vende o peixe filetado atualmente apenas para as escolas através dos programas PAA e Pnae ao preço que varia entre R$ 23 a R$ 26 o quilo, de acordo com a planilha do governo federal. Além do file de peixe, a produtora retira também o couro que é vendido para São Paulo.

Ainda não foi feito levantamento do lucro obtido com a agroindústria, pois a atividade é recente, mas a expectativa é boa, e Nara Regina diz estar muito feliz com sua conquista.

Segundo ela, foi muito importante todo esse processo que legalizou sua atividade e regularizou a agroindústria. “Agora vamos poder vender também para o comércio, e assim aumentar o nosso lucro”, comemorou.

MUTIRÃO ARCO VERDE TERRA LEGAL

O mutirão Arco Verde Terra Legal foi o projeto que deu início a uma série de políticas e ações públicas de estímulo a um modelo de produção sustentável, coordenadas pelos MDA e MMA. Através desse projeto, o governo federal teve por objetivo prevenir e combater o desmatamento e a grilagem de terras, uma das marcas da colonização de Rondônia.

Na época (meados de 2009/2010), a operação foi realizada em 43 municípios que registravam os maiores índices de desmatamento na região. Em Rondônia, os municípios beneficiados foram Porto velho, Machadinho do Oeste, Nova Mamoré e Pimenta Bueno.

Caravanas articuladas pelo governo federal se deslocaram aos municípios promovendo capacitação, emissão de documentos, entrega de bibliotecas e patrulhas agrícolas, além de acesso a serviços previdenciários, dando início às ações que seriam posteriormente desenvolvidas.

Leia mais:
Programa de incentivo à agroindústria é um aliado no combate ao êxodo rural em Rondônia
Agroindústria de Nova Brasilândia do Oeste começa a produzir linguiça tipo toscana
Agroindústria familiar de polpa de frutas supera obstáculos e mostra caminho do sucesso em Urupá


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Wania Ressutti
Fotos: Emater-RO
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Agricultura, Indústria, Piscicultura


Compartilhe