Governo de Rondônia
Sábado, 28 de março de 2020

ASSISTÊNCIA SOCIAL

Ao cumprir agenda no interior do Estado, secretária Luana Rocha fala sobre desafios e legados que pretende deixar com a melhoria da assistência social em Rondônia 

07 de fevereiro de 2020 | Governo do Estado de Rondônia

Os desafios dos serviços socioassistenciais e os possíveis legados com a execução de programas e projetos que apontem para a melhoria da qualidade de vida da população em Rondônia foram destacados pela secretária estadual da Assistência e do Desenvolvimento Social, primeira-dama Luana Rocha, durante entrevista na quinta-feira (6), em Ji-Paraná. O balanço das ações realizadas em 2019 e o planejamento das atividades para este ano estão sendo abordados pela secretária, que acompanha o governador coronel Marcos Rocha em extensa agenda que encerrou sexta-feira (7) em Ji-Paraná, Cacoal e Rolim de Moura.

Em Ji-Paraná, a secretária Luana Rocha fez balanço das ações da Seas em 2019 e anunciou novos programas para 2020

Na Rádio Alvorada FM, em Ji-Paraná, a secretária apontou como principal desafio, ao assumir a pasta, a rotatividade dos gestores anteriores, o que resultou na descontinuidade das ações planejadas. Como legado, ela disse que pretende deixar melhores políticas públicas voltadas às crianças, com o fortalecendo da rede socioassistencial no Estado, que inclui saúde, educação e assistência social, garantindo com isso o fortalecimento também da família, refletindo em melhores resultados para a sociedade.

“Ao assumirmos a pasta, fizemos um levantamento do que estava sendo feito, avaliamos o que poderia ser dado continuidade ou não e, por fim, elegemos como foco das nossas ações a família, com ênfase na criança, no adolescente e no idoso”, disse Luana, citando como referência o programa Criança Protegida, do governo Federal, que tem por objetivo fortalecer a rede de proteção, que inclui vários setores, como saúde, educação, assistência social e segurança.

Após o treinamento das equipes em seminários no ano passado, a secretária informou que o próximo passo é a execução de planos visando a correção de possíveis falhas na rede de proteção com a identificação de violações de direitos. “Não queremos apagar incêndios, mas prevenir as crianças de terem seus direitos violados”, destacou Luana, citando o projeto Bombeiro Mirim como uma das ações a serem feitas com recursos do Fundo de Assistência Social, começando pelo Empreendimento Residencial Orgulho do Madeira, em Porto Velho, sendo estendido depois para os demais municípios que tiverem uma unidade do Corpo de Bombeiros.

A entrega de veículos para atender aos Centros de Referência da Assistência Social (Cras) e Centros de Referência Especializados da Assistência Social (Creas) nos 52 municípios rondonienses e outros sete para comunidades quilombolas do Estado também foi citado pela secretária, assim como a capacitação oferecida ao terceiro setor para melhoria dos serviços prestados em parceria com o governo estadual; e o credenciamento de entidades da sociedade civil para ações com recursos do Fundo Estadual de Erradicação da Pobreza (Fecoep).

Além do Fecoep, cujos recursos foram elevados de R$ 17 milhões para R$ 24 milhões neste ano, ela falou sobre o Cofinanciamento Estadual, modalidade fundo a fundo, que garantirá aos municípios recursos para execução de programas estaduais, como o Mamãe Cheguei e o Criança Feliz+. São mais de R$ 11 milhões disponibilizados pelo governo estadual aos municípios para desenvolverem as ações de assistência social. O primeiro programa tem por objetivo motivar a realização de consultas do pré-natal, valorizar as ações da assistência ao pré-natal, parto e nascimento; contribuir com a diminuição da mortalidade materna e neonatal, e ainda fornecer kit enxoval a gestantes que fazem parte do Cadastro Único. Com o Criança Feliz+, a Seas prestará apoio financeiro temporário no valor de R$ 100,00 (cem reais) às famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica, inseridas em programas de primeira infância no Sistema Único de Assistência, cuja renda mensal esteja inserida nas faixas de pobreza e extrema pobreza. Para trabalhar com o Criança Feliz+, o município precisa antes aderir ao Criança Feliz, do governo Federal.

A secretária ainda concedeu entrevista ao programa Fala Ji-Paraná, na Rede TV, acompanhada do governador; esteve na Secretaria Municipal de Assistência Social conversando com a titular Sônia Reigota, com a qual foi conhecer as novas instalações do Cras, localizado no empreendimento Morar Melhor II; reuniu-se com a presidente da Federação das Associações de Pais e Amigos de Excepcionais (Apaes), Ilda Salvático, a diretora-executiva Maria José, equipe e alunos, conhecendo os projetos, oficinas, atendimento na área da saúde, fisioterapia, piscina aquecida e o espaço externo onde são realizadas sessões de equoterapia.

No final da tarde ela participou da inauguração da Praça Beira Rio Cultural, às margens do rio Machado, espaço destinado ao lazer e atividades físicas em família.

Leia Mais:

 Crescimento econômico e social é destacado pelo governo no dia que se comemora a criação do Estado de Rondônia

 Municípios participam de reunião da Seas sobre o Cofinanciamento Estadual para fortalecer o atendimento socioassistêncial em Rondônia

 


Fonte
Texto: Veronilda Lima
Fotos: Antônio Lucas
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Assistência Social, Brasil, Capacitação, Governo, Inclusão Social, Municípios, Rondônia


Compartilhe