Governo de Rondônia
Terça, 26 de janeiro de 2021

SAÚDE PÚBLICA

Aos 33 anos de instalação, Hospital de Base aguarda habilitação para transplantes de coração

18 de janeiro de 2016 | Governo do Estado de Rondônia

Hospital de Base - foto Admilson Knightz(SECOM) (1)

Pelo menos 2 mil pessoas passam diariamente pelo hospital

 

O movimento diuturno nos 570 leitos consolida a primeira grande obra pública inaugurada há 33 anos, em Porto Velho, durante a instalação do Estado de Rondônia. Trata-se do Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro, que fez aniversário no último dia 12.

“O HB fez aniversário, e a melhor comemoração são as conquistas em diferentes áreas”, comentou a diretora-adjunta, psicóloga Joelma Sampaio do Nascimento.

Segundo ela, desde o ano passado, o Núcleo de Segurança do Paciente funciona em sala própria, o que melhorou a infraestrutura de trabalho. Diversos protocolos vêm sendo adotados, destacando-se os de queda, transfusional, farmacovigilância e hemovigilância.

Nos corredores, centro cirúrgico, maternidade, enfermarias e demais dependências do hospital circulam diariamente 2 mil pessoas – pouco menos do que a população do município de Pimenteiras do Oeste, que tem 2,4 mil habitantes, por exemplo.

Desse contingente, mil são internadas e mil são acompanhantes. A clientela não se limita a Rondônia. Ali desembarcam pacientes do Acre, Mato Grosso, Sul e Sudoeste do Estado do Amazonas, da fronteira com a Bolívia e até do país vizinho.

Referência no estado para a gestação de alto risco, neonatologia e internação psiquiátrica, o HB habilita-se atualmente para transplantes de coração. Já ganhou outras habilitações de alta complexidade do Ministério da Saúde para serviços de traumato-ortopedia, cirurgias cardíacas em adultos; cardiologia intervencionista, cirurgia vascular, procedimentos endovasculares extracardíacos, oncologia, transplante de córnea, retirada de órgãos e tecidos, cuidados prolongados [enfermidades cardiovasculares, pneumológicas, neurológicas, osteomoleculares e do tecido conjuntivo], vasectomia e cuidados intermediários.

“Os desafios seguem. Primeiramente, o cumprimento das metas da Organização Mundial da Saúde, traduzidas em seis protocolos do paciente; a gestão de riscos identificados e classificados no processo do cuidado, identificação correta dos pacientes e melhoria da comunicação entre profissionais de saúde, pacientes e familiares”, disse o diretor-geral, médico pediatra Nilson Cardoso Paniágua.

Equipes do HB lutam permanentemente para promover a segurança do paciente no que diz respeito à hemotransfusão, medicamentos, redução de riscos de úlcera por pressão, cirurgias seguras e diminuição de infecções associadas aos cuidados de saúde por meio da higienização das mãos, em parceria com a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar.

Parcerias são prioritárias com o Corpo de Bombeiros Militar para o uso de um carro exclusivo; com a Polícia Comunitária e Centro de Comunicação Social da Polícia Militar para divulgar o Banco de Leite; e com a Rede Cegonha para aquisição de novos equipamentos.

Para o diretor geral, o mérito de se tornar hospital-escola honra a memória do patrono da casa, o médico e antropólogo paraense, Ary Tupinambá Penna Pinheiro.

PATRONO DOOU-SE A RONDÔNIA

“Durante algumas décadas do século passado, o doutor Ary doou-se ao socorro a milhares de trabalhadores que construíram a Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, no tempo do ex-Território Federal do Guaporé”, lembrou Paniágua.

Na Recepção, galeria de fotos homenageiam todos os ex-diretores

Na Recepção, galeria de fotos homenageia todos os ex-diretores

O médico da ferrovia que ligava Porto Velho a Guajará-Mirim, na fronteira brasileira com a Bolívia, a 362 quilômetros da Capital rondoniense, Ary Pinheiro é também considerado o “Pai da Socioantropologia” no estado.

“Ary Pinheiro também foi ambientalista”, lembrou sua filha, a escritora e acadêmica de letras, Yêdda Pinheiro Borzacov.

“Lembro-me com nostalgia do seu quintal de mágicas belezas [na rua D. Pedro II] que ele tanto amava e onde cresciam uma majestosa mangueira, belíssimos abacateiros, cacaueiros, figueira, pupunheira, cajazeiro e uma infinidade de papoula, folhagens diversas, tajás, trepadeiras e palmeiras, que faziam o paraíso dos pássaros e o deleite dos visitantes”, citou Yêdda, completando que “ali dentro, como um oásis limitado, vivia um homem simples e puro, amigo dos animais, dos livros, das plantas. Um homem que vivia em paz consigo próprio e que tinha naquele pedação de chão batido o seu mundo”.

Corredores largos davam a impressão de um “hospital de guerra”. Esse comentário circulava entre os críticos da obra entregue pelo ex-governador Jorge Teixeira de Oliveira. E ele não se cansava de repetir que “entregava a Rondônia um hospital para o futuro”.

Hoje, aquele gigante de 16 mil m² de área construída e 34 mil m² de área urbanizada já não é tão gigante para a população da Capital, que supera meio milhão de habitantes; e à estadual, calculada pelo IBGE em 1,7 milhão de pessoas.

“Apenas no primeiro quadrimestre do ano passado, contabilizávamos mais de 1,1 mil pedidos e ordens de serviço em instalações elétricas, prediais, pintura, hidráulica, lavanderia, manutenção de condicionadores de ar e entrega de gases medicinais”, comentou o diretor-geral.

CENTRO OBSTÉTRICO, PRIMEIRO A FUNCIONAR

Segundo a Gerência de Recursos Humanos, atualmente trabalham no HB 1.973 pessoas, do vigilante ao pessoal técnico, terapeutas, psicólogos, enfermeiros, médicos, biomédicos, farmacêuticos, bioquímicos, engenheiros, agentes de saúde, assistentes e administradores.

Meses antes da inauguração pelo ex-presidente da República, João Baptista de Oliveira Figueiredo; e pelo ex-governador Jorge Teixeira, o hospital começava a funcionar com uma equipe de médicos e paramédicos.

Método Canguru assiste recém-nascidos abaixo do peso normal

Método Canguru assiste recém-nascidos abaixo do peso normal

O primeiro setor a funcionar foi o centro obstétrico. Ginecologia, Obstetrícia e Sala de Internação absorveram inicialmente o trabalho de 15 médicos, cinco enfermeiras, 11 auxiliares e 22 atendentes.

A equipe de plantão permanente era formada por dois obstetras, um anestesista, duas enfermeiras, dois auxiliares e três atendentes. Paralelamente, funcionaram os serviços de berçário, radiologia, laboratório e banco de sangue.

“Desativaram a Maternidade Darcy Vargas e três ambulâncias começaram a transferir as pacientes para cá; e as equipes já estavam a postos para o atendimento, que começou às 9h do dia 12 [a inauguração ocorrera às 15h], com parturientes recebidas por enfermeiras e pelo pessoal do Serviço de Arquivo Médico (Same), que ficava na entrada do pronto-socorro”, lembrou o radialista e jornalista, Chico Lins, que até hoje trabalha no hospital.

Ainda segundo Chico Lins, às 10h45 do dia da inauguração nascia o primeiro bebê pesando 3,550 quilos, com 45 centímetros, em parto normal assistido pelo médico Hiran Gallo.

Em 2016, o Centro Obstétrico tem 20 a 30 médicos permanentemente, dos quais três plantonistas, dois residentes e dois anestesistas; e a equipe de enfermeiros e técnicos de enfermagem. No alojamento conjunto ficam dois a três médicos visitadores obstetras e dois pediatras, com a equipe de residentes e da enfermagem, técnicos, psicólogos, assistentes sociais e nutricionistas.

Como pode ser definido o HB hoje? Conforme relatório de gestão da unidade, trara-se de um hospital geral de grande porte, de assistência terciária, que faz atendimento em regime de internação hospitalar, por demanda espontânea e referenciada.

As especialidades oferecidas são: Clínica Médica, Cardiologia, Nefrologia, Hematologia, Pneumologia, Urologia, Dermatologia, Endocrinologia, Reumatologia, Gastroenterologia, Neurologia, Oftalmologia, Otorrinolaringologia, Pediatria, Proctologia, Psiquiatria, Neonatologia, Genecologia e obstetrícia, Radiologia, Cirurgia Geral, Cirurgia oncológica, Buco-maxilo, Cirurgia Vascular, Cirurgia Cardíaca, Neurocirurgia, Cirurgias ortopédicas, Cirurgia Plástica, Cirurgia Bariátrica, Cirurgia pediátrica e Cuidados Intensivos (adulto, pediátrico e neonatal).

Saiba mais:
Hospital de Base sensibiliza rede pública de saúde para evitar agravamento da mola hidatiforme em gestantes
Oncologia pediátrica 24h do Hospital de Base atende crianças que antes se tratavam fora de Rondônia
Hospital de Base utiliza Método Canguru para estimular vínculo materno e reduzir tempo de internação de bebês prematuros
Pacientes de ortopedia lotam o Hospital de Base Ary Pinheiro, que faz em média 30 cirurgias por dia em Porto Velho
Ministério da Saúde certifica Hospital de Base como referência em Rondônia no Método Canguru
Hospital de Base comemora primeiro ano de transplante de rim realizado em Rondônia
Centro Cirúrgico do Hospital de Base tem modernos equipamentos para cirurgias dos olhos


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Admilson Knigthz e Daiane Mendonça
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Água, Assistência Social, Capacitação, Ecologia, Educação, Governo, Inclusão Social, Infraestrutura, Legislação, Meio Ambiente, Obras, Previdência, Rondônia, Saneamento, Saúde, Segurança, Serviço, Servidores, Sociedade, Solidariedade, Trânsito, Transporte, Turismo


Compartilhe