Governo de Rondônia
Quinta, 24 de junho de 2021

AGRONEGÓCIO

Basa estima liberar R$ 200 milhões para negócios na Rural Show

20 de maio de 2014 | Governo do Estado de Rondônia

Basa-01O Banco da Amazônia tem uma estimativa de liberar cerca de R$ 200 milhões em negócios no decorrer da Rondônia Rural Show. Durante a 3ª edição da feira, que começa nesta quarta (21), no parque de exposições de Ji-Paraná, o banco disponibilizará aos produtores rurais linhas de crédito com juros baixos.

Os recursos estão disponíveis pelo Programa Nacional para o Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO). A feira acontece até o próximo sábado (24). A entrada do público na Rondônia Rural Show será totalmente gratuita.

“Nossa equipe estará no estande do banco para atender o público, e os contratos firmados durante a feira terão prioridade na análise”, diz o superintendente regional do Banco da Amazônia, Edmar Bernaldino. Ele também anunciou o lançamento de duas linhas de crédito – Pronaf Mulher e Pronaf mais Alimento – ambos destinados à agricultura familiar.

Floresta plantada

O banco também deverá abrir linha de crédito para segmentos que estão em franco crescimento, como o de floresta plantada, que tem recebido apoio do Governo do Estado. “O setor de floresta plantada é uma das prioridades do governador Confúcio Moura”, explica o Secretário de Estado da Agricultura, Pecuária, Desenvolvimento e Regularização Fundiária (Seagri), Evandro Padovani.

Recentemente, o Banco da Amazônia liberou recursos para projetos ligados à floresta plantada, durante o seminário “Plantar Árvores em Rondônia é um Grande Negócio”, promovido pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam).

“Este é um momento importante, pois o mundo passa por um processo onde as empresas começam a conscientizar-se das suas responsabilidades e deveres na recuperação e proteção do Planeta Terra”, disse o governador Confúcio Moura, durante a abertura do seminário, que aconteceu na semana passada, no município de Vilhena.

Projetos

O Banco da Amazônia tem cerca de 15 projetos somente para a região de Vilhena. De acordo com o gerente da agência no município, Jonas Bassay Ferreira, “os créditos são liberados pela instituição desde 2011 onde mais de R$ 20 milhões foram liberados para esse tipo de fomento”, lembra.

Na semana passada, em Vilhena com a presença do governador, o Banco Basa aprovou empréstimo no valor de R$ 1,710 milhão, dinheiro que será usado pela iniciativa privada no reflorestamento com o plantio de 182, 23 hectares da espécie Pinus.

A propriedade pertence à empresária Marcela Haiberlin Montaldi Lopes Albonete. A família já investe nesse setor no município. O empréstimo foi feito por meio do programa FNO voltado à biodiversidade. “Esta é uma linha de crédito voltada ao reflorestamento, auxiliando na conservação do meio ambiente da Amazônia”, esclarece.

O superintendente comunica que as taxas de juros variam de acordo com o valor dos empréstimos que correspondentes aos programas e linhas de créditos a serem procurados por cada agricultor ou pessoa.

Pinus

Uma árvore de Pinus chega a produzir cerca de 3 kg de resina ano, que hoje está sendo comercializada a R$ 3,50. Ao final do ciclo da resina, também é exportada a madeira. Além da resina, que pode ser coletada durante dez anos, cinco de cada árvore (painéis de extração), o tronco, abatido próximo aos 30 anos, fornece madeira para vigas, caibros, móveis, aglomerados e celulose para a fabricação de papel.

De acordo com a Associação dos Resinadores do Brasil (Aresb), das 80 mil toneladas/ano produzidas de goma-resina no País, 55 mil destinam-se à exportação e 25 mil são consumidas no mercado nacional.   Outro grande benefício com o plantio de árvore acontece com a geração de empregos que em Rondônia pode corresponder de 10  empregados  para cada 100 hectares , emprego que para o gerente do Basa acontece de forma direta e fixa.

O grande investimento na espécie pinus colocou o Brasil como o segundo maior colocado na produção da matéria-prima chegando a ser extraído um total de 80 mil toneladas/ano. O produto é utilizado na fabricação de remédios, perfumes, colas, tintas, vernizes, plásticos e muito mais. De óleo lubrificante a goma de mascar.

Com carência de 12 anos, o recurso é de contrapartida do  Fundo Constitucional de Financiamento do Norte  ( FNO) programa de desenvolvimento economia e social da Região Norte pautado em bases sustentáveis, apoiando empreendimentos não rurais, a partir da concessão de financiamentos adequados às reais necessidades dos setores produtivos.


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Emerson Barbosa
Fotos: Daiane Mendonça
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Agricultura, Economia, Governo, Rondônia


Compartilhe