Governo de Rondônia
Quarta, 03 de março de 2021

ATENDIMENTO HUMANIZADO

Bebê nascida em parto prematuro durante voo do Grupamento de Operações Aéreas completa um ano

16 de maio de 2016 | Governo do Estado de Rondônia

Mãe-de-bebê-prematuro-nascido-no-ar-GOA

Jéssica e a filha, Alice Penha, nascida prematuramente aos sete meses há um ano, num voo do GOA

Alice Penha, nascida prematuramente aos sete meses há um ano, num voo do Grupamento de Operações Aéreas (GOA), foi bem amamentada, e atualmente já come peixe, pesa oito quilos e está quase andando. Ela mora em Guajará-Mirim, a 366 quilômetros de Porto Velho, na fronteira brasileira com a Bolívia.

“Eu me mudei do bairro (Dez de Abril) para uma casa no centro da cidade, e aqui comemoramos o primeiro aniversário dela”, contou, por telefone, a mãe Jéssica Penha Gomes, 19 anos.

O avô, Francimar, e a avó materna, Francisca Costa Penha Malaquias, não ficam um só dia sem ver a neta. “Levo ela pra casa deles sempre ao meio-dia. É o xodó deles”, contou Jéssica.

Casada com o cabo Carlos Cortez, do 6º Batalhão de Infantaria de Selva do Exército, ela concluiu o Ensino Médio e fará um curso de atendente de farmácia.

Enquanto não arruma emprego, dedica-se totalmente à criação de Alice. “Ela só gripou uma vez”, contenta-se.

O parto de Alice ficou famoso. Foi feito pelo médico Fernando Javier Camacho Castilho e pela técnica em enfermagem Maria Nilce, em 12 de abril do ano passado, um domingo, a 7,5 mil pés de altitude, no banco traseiro do avião do GOA prefixo PT-DPH, quando sobrevoava o distrito de Nova Dimensão, município de Nova Mamoré (Oeste de Rondônia), a 290 quilômetros de Porto Velho. Após o parto, com êxito da equipe do GOA , ela foi atendida no Hospital de Base Ary Pinheiro, na capital.

O tratamento humanitário proporcionado pelo governo de Rondônia possibilitou às mulheres com gravidez de risco, pacientes oncológicos – alguns em estado terminal –, ou carentes de outras especialidades médicas, chegarem também a hospitais de Barretos (SP), Brasília (DF), Cuiabá (MT), Goiânia (GO), Fortaleza (CE), Rio Branco (AC), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP) e São Luís (MA).

O GOA faz também o transporte de medicamentos e de órgãos captados no interior de Rondônia. Cacoal e Ji-Paraná são os municípios onde mais ocorrem doações de córneas, coração, fígado e rins para cirurgias feitas no Hospital de Base. Trabalham na equipe de 17 pessoas: sete pilotos, sete tripulantes operacionais, dois mecânicos, uma enfermeira e uma médica.

Saiba mais:
Pilotos do GOA recebem homenagem pelo parto realizado a 7 mil pés de altitude
Mãe de bebê prematuro nascido “no ar” deixa sorrindo o Hospital de Base em Porto Velho
Serviço aeromédico agiliza atendimento, promovendo economia ao estado


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Arquivo pessoal
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Assistência Social, Capacitação, Distritos, Ecologia, Educação, Governo, Inclusão Social, Infraestrutura, Rondônia, Saúde, Serviço, Servidores, Sociedade, Solidariedade, Tecnologia, Transporte


Compartilhe