Governo de Rondônia
Quarta, 11 de dezembro de 2019

SAÚDE

Caso raro de adolescente atendido no Pronto Socorro João Paulo II emociona profissionais de saúde

29 de novembro de 2019 | Governo do Estado de Rondônia

João Victor do lado de seu tio Francisco Bonifácio, sendo avaliado por Kênio Teixeira e Isabele Anghinoni

João Victor Souza Lenzi, 15 anos, morador do distrito de Jacinópolis, em Nova Mamoré, fazia suas atividades normalmente e, como maioria dos adolescentes de sua idade, adora jogar futebol. Mas o destino mudou sua rotina e no ultimo domingo (24), o jovem deu entrada no Pronto Socorro João Paulo II em estado grave.

“Meu sobrinho chegou aqui com fortes dores nas pernas, muito inchado e quase sem voz. Ele já tinha passado por outras unidades de saúde próximas à nossa região, mas foi aqui no João Paulo que o João Victor encontrou socorro. Aqui ele foi atendido imediatamente, cuidaram dele tão bem que hoje olho pra ele e me emociono. Só tenho a agradecer pelo que fizeram por ele”, disse emocionado, o senhor Francisco Bonifácio de Souza, que é tio e padrinho do menino.

De acordo com Kênio Teixeira, um dos médicos que atendeu o adolescente, o menino chegou à unidade em estado muito grave, dispneico e com falta de ar, em decorrência de uma insuficiência cardíaca, apresentando cardiopatia delatada.

Ainda de acordo com o médico, o primeiro atendimento foi primordial para salvar a vida do garoto. Foram feitas medidas para conforto respiratório, para eliminar o excesso de liquido. “Nesses casos a agilidade no atendimento é primordial. Nossa equipe de urgência e emergência do JP foi ágil, agora vimos a evolução do paciente com melhora visível. Seguimos com os procedimentos para investigar a causa que levou a esse acúmulo de líquido e a insuficiência cardíaca”, afirmou Kênio Teixeira.

João Victor recebendo as luvas de presente do Dr. Vinicius Ortigosa, com parte da equipe da sala vermelha do JPII

Ainda de acordo com o médico plantonista do pronto-socorro, diante do quadro de saúde de João Victor, algumas mudanças precisarão ser adotadas em sua rotina. “Esperamos é que o coração recupere pelo menos uma parte da fração de ejeção, de qualquer forma a condição de base vai restringir um pouco a atividade física. A princípio, por conta dessa alteração cardíaca, sabemos que ele gosta de jogar futebol, vamos ter que trabalhar isso com ele depois”, frisou Kênio Teixeira.

GOLEIRO

A história do jovem João Victor emocionou toda equipe da sala de emergência do Pronto Socorro João Paulo II, o menino que chegou muito grave na unidade, e quando conseguiu conversar contou para equipe médica o seu sonho. “Em um momento de conversa com o João, ele nos disse que joga futebol na posição de goleiro, que é corintiano, e que tem como ídolo o goleiro Cássio, e nesse momento, sabemos da limitação que a partir de agora esse menino terá. Ficamos emocionados, no dia 26 o adolescente completou 15 anos de idade – três dias depois de dar entrada aqui com a gente – nos sensibilizamos com a história desse menino que vem de família simples e humilde, mas com um sonho que pode ser interrompido por apresentar insuficiência cardíaca avançada”, narrou o médico Vinicius Ortigosa Nogueira, coordenador Médico da Emergência. “E para melhorar seus dias e sua recuperação, nós compramos uma luva de goleiro e presenteamos o João Victor, que pergunta insistentemente quando terá alta”, complementou o médico.

O sonho do adolescente de ser goleiro por enquanto está adiado. A insuficiência cardíaca, também chamada de insuficiência cardíaca congestiva, é uma doença na qual o coração não consegue mais bombear sangue suficiente para o resto do corpo, não conseguindo suprir a suas necessidades.

Leia mais:

 Rondônia busca solução para construir o novo João Paulo II em menos tempo e com mais qualidade

 Especialistas alertam: hábitos saudáveis e consulta médica regular ajudam a reduzir os riscos de câncer


Fonte
Texto: Sângela Oliveira
Fotos: Ítalo Ricardo
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Governo, Municípios, Rondônia, Saúde, Serviço, Servidores, Sociedade, Solidariedade


Compartilhe