Governo de Rondônia
Sexta, 05 de março de 2021

SAÚDE DA MULHER

Cinco pacientes atendidas no Centrogesta dão à luz bebês saudáveis, após gravidez molar

19 de outubro de 2016 | Governo do Estado de Rondônia

centrogesta-creuzineide-bebe-e-esposo

Felizes, Creuzideine e o marido deixam o bebê sob cuidados médicos

 

Cinco mulheres de Porto Velho, integrantes de um grupo de 16 acometidas por mola hidatiforme trofoblástica, tiveram licença para engravidar e geraram bebês saudáveis neste ano.

Mola hidatiforme [do grego-latino molar, massa e hydatisiaforme, aquosa] é um distúrbio da gravidez em que a placenta e o feto não se desenvolvem adequadamente. As células do embrião formam sacos de líquidos. Também pode ser chamado de tumor trofoblástico gestacional. Gravidez molar é um dos alvos da atenção de especialistas no Hospital de Base Ary Pinheiro. A maior parte das 121 atuais pacientes com mola segue em tratamento.

Não houve nenhum óbito, conforme informou a vice-coordenadora do Centro de Referência de Doença Trofobástica de Rondônia (Centrogesta-RO), psicóloga Rose Brito.

Vanessa, 28 anos, dona de casa, e o marido Max Well, 28, motorista, fazem parte do rol de casais felizes. Eles vieram de Rolim de Moura [Zona da Mata rondoniense] para Porto Velho, e ganharam a filha Quêren Hapuque, nascida com 2,580 quilos, há 14 dias. “Meu tratamento durou um ano e nove meses. Estou amamentando e vou fazer acompanhamento da saúde dela e da minha. Estou muito contente com o carinho e a atenção que recebemos do pessoal [do Centrogesta-RO]”, disse.

O 5º Congresso Sul-Americano e o 18º Congresso Brasileiro de Doenças Trofoblásticas, a ser realizado de 10 a 12 de novembro, em São Paulo, debaterão o regime mais adequado de quimioterapia para essa neoplasia de alto e baixo risco; o importante papel da assistente social como agente fundamental na busca ativa das pacientes que não aderem ao acompanhamento e tratamento da neoplasia trofoblástica gestacional pós-molar (NTG).

centrogesta-vanessa-max-well-pais-de-quelen

Vanessa e o marido Max Well, pais de Quêren Hapuque

O Centrogesta-RO inteirou dois anos de atividades, recebendo o apoio do diretor do HB, médico pediatra Nilson Cardoso Paniágua, e da diretora adjunta, psicóloga Joelma Sampaio. Desde 2015, as pacientes se reúnem na Sala de Vivência Terapêutica para o acompanhamento psicológico, médico e nutricional.

A Associação Flores de Íris reúne mulheres vítimas de mola para reivindicar direitos de atendimento na rede pública. Referência na região Norte brasileira e na condição de hospital escola, o HB recebe pacientes encaminhadas pela rede municipal e algumas vindas de outras cidades do Sul do Amazonas, Noroeste de Mato Grosso e do Acre.

Na prática, o Centrogesta-RO atua desde 2011, sob a coordenação da médica ginecologista e obstetra Rita de Cássia Ferreira, mestre em doença trofoblástica gestacional (DTG).

O trabalho integrado da equipe multidisciplinar é essencial para recuperação da saúde com qualidade de vida. Juntas, assistência social, enfermagem, psicologia, nutrição e medicina são relevantes para o tratamento e apoio às pacientes e familiares.

“No segundo ano de trabalho, apelamos aos municípios para que enviem pacientes para cá, temos a única equipe especializada no estado para tratar desse problema de saúde”, afirmou Rose Britto.

centrogesta-quelen-rapuche-filha-de-max-well

Quêren Hapuche: 14 dias, nasceu com 2,580 quilos

MAIS MOTIVOS A COMEMORAR

Há mais alegrias do que propriamente dores. Em maio de 2015, o Centro promoveu o 1º Simpósio de Oncologia e Ginecologia da Amazônia Ocidental, com a participação do médico Braga Neto. Ainda naquele ano, ocorreu o 1º Encontro de Homens [maridos de pacientes].

No computador, a psicóloga Rose Britto mostra imagens da Sala de Vivência Terapêutica, destacando-se o álbum intitulado “Nossas flores brotando”. Pacientes em tratamento e curados, parceiros do Centro, Casas de Apoio, estão noutros álbuns.

“Sabe o Kaio [Silvestre de Oliveira Ribeiro], jogador da seleção brasileira de vôlei? Ele é rondoniense e sempre apoia o Centrogesta. O doutor Antonio [Braga Neto] mencionou Rondônia num congresso em Bali [Índia]”, lembra Rose.

A psicóloga lamenta a falta que vem fazendo ao trabalho semanal o voluntariado de Raimunda Lopes”. Conhecida como dona Raimundinha, 65 anos, ela foi atropelada por um carro, quando caminhava com uma neta pela avenida Jatuarana [zona Sul da capital].

Considerada a “retaguarda” da equipe, ela conseguiu se aposentar. Deixou saudades na equipe: “Difícil agora contarmos com a assiduidade e dedicação de outra pessoa”.

Estudos da DTG nos congressos em São Paulo contarão com a participação de pesquisadores jovens e seniors do Brasil, América Latina, Estados Unidos e Reino Unido.

Eles deverão ampliar conhecimentos sobre diagnóstico e tratamento da gravidez molar e definir indicações de quimioterapia em pacientes que desenvolvem neoplasia trofoblástica gestacional pós-molar (NTG).

“O resgate da paciente para a continuidade do tratamento e seguimento é importante pelo índice de cura elevado, em torno de 80%, mesmo em casos de doença quimiorresistente ou recidivada”, assinala estudo da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista, Julio de Mesquita Filho (Unesp), em Botucatu.

SAIBA MAIS
HB sensibiliza rede pública para evitar agravamento da mola hidatiforme em gestantes

ONDE FICA
O Centrogesta atende toda quinta-feira, das 13h às 18h, na Unidade de Oncologia do Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro, na Avenida Jorge Teixeira nº 3766, Bairro Industrial. Telefone: 69 32165719


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Arquivo/Centrogesta
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Assistência Social, Governo, Rondônia, Saúde, Sociedade


Compartilhe