Governo de Rondônia
Sábado, 12 de junho de 2021

PROERD

Colégio Tiradentes em Porto Velho inclui mais 260 alunos no Programa de Resistência às Drogas e Violência

23 de agosto de 2017 | Governo do Estado de Rondônia

A diretora pedagógica Marinete (em pé) fala na aula inaugural para novas turmas do Proerd

Mais 264 alunos do 5º e 7º anos A, B, C e D do Colégio Tiradentes da Polícia Militar participaram, na sexta-feira (18), da aula inaugural do Programa Educacional de Resistência às Drogas e a Violência (Proerd).

“Luz, câmera, ação, drogas não!”, eles repetiram sucessivas vezes, a partir das 7h30, depois da formação das filas de cada sala de aula, e da caminhada até o auditório dessa escola, no bairro Industrial.

No primeiro semestre deste ano, o programa formou mais de 15 mil alunos, e desde o início, 17 anos atrás, atendeu a 230 mil. Em 2000 iniciou suas atividades apenas em Guajará-Mirim, Porto Velho e Vilhena.

“Hoje é dia de Proerd!”, comemoravam os alunos no momento da formação da mesa, composta pelo diretor escolar, coronel Robson Lima; pela representante do Corpo Docente, professora Eliana dos Santos Morato Baraldi; e pelo coordenador estadual do programa, capitão Paulo Antunes da Silva.

Em pé, a diretora pedagógica Marinete Oliveira de Andrade e as demais professoras ouviram seus nomes soletrados em voz alta pelos alunos, seguindo-se a saudação em Libras [Língua Brasileira de Sinais] com o significado de “parabéns”.

O capitão Paulo Antunes orou, pedindo a Deus para livrar as crianças do “mal do século”. “Aproveitem bem as dez semanas do curso”, apelou.

A diretora Marinete lembrou o início do programa, do qual participaram apenas 500 crianças. O Colégio Tiradentes de Porto Velho foi um dos primeiros a aceitá-lo.

A cada semana, um tempo de aula da escola é cedido para palestras feitas pelo coordenador, cabo Cleiton Gomes.

“Esse aprendizado será muito benéfico a cada um de vocês, perguntem à vontade ao cabo Cleiton, tirem dúvidas”, disse Marinete.

O Proerd segue em Rondônia o original norte-americano Drug Abuse Resistence Education (DARE), concebido em 1983. Presente em mais de 50 países, começou no Brasil em 1992.

O coronel Lima pediu-lhes que chamem os pais para acompanhar seu aprendizado. Antes da entrega dos livros para um grupo de alunos, indagou-lhes: “Estão sabendo que temos mais seis colégios Tiradentes no estado, e todos terão o Proerd?”.

Grupo de alunos recebe livros do programa

Setenta instrutores o conduzem em mais de 20 municípios. “Crescemos mais do que em 2016 e este ano queremos mais que dobrar o atendimento”, disse o cabo Cleiton.

Mesmo otimista, o instrutor admite a impossibilidade de atender atualmente a todas as escolas. “As que não são contempladas no ano, ficam para o ano seguinte”.

“A satisfação é grande, quando vemos cada um deles firmar o compromisso de ficar longe das drogas e da violência, e muitos deles alcançarem a condição de multiplicadores”, acrescentou.

Até 2018, o comando da PM espera levar o programa a 100% de atendimento ao ensino fundamental, na rede estadual de ensino.

COMO É

► Podem participar do Proerd alunos de nove a 12 anos matriculados nas redes estadual, municipal e particular de ensino.

► Tem quatro currículos, atendendo à educação infantil (três primeiros anos do Ensino Fundamental), 5º e 7º anos do Ensino Fundamental. A família do aluno pode participar.

► Para tê-lo, a direção da escola solicita por ofício à coordenadoria estadual, no Comando da PM.

► A Seduc fornece kits ao programa. Cada kit tem livros, canetas, bonés e certificados.

► Formaturas de turmas ocorrem a cada final de semestre.

Mais sobre o Proerd
O Proerd chega aos 15 anos, ensinando crianças a resistir às drogas
Galeria de fotos da formação das turmas de 2011 em Porto Velho
Alunos de Nova Brasilândia do Oeste participam do Proerd


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Jeferson Mota
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Rondônia


Compartilhe