Governo de Rondônia
Segunda, 01 de março de 2021

PREVENÇÃO

Comitê reforça estratégias de combate ao mosquito aedes aegypti em Rondônia

09 de janeiro de 2017 | Governo do Estado de Rondônia

Em Rondônia, o maior número de casos confirmados no ano de 2016 foi de dengue, 4.371, sendo 2 óbitos, que correspondem a um acréscimo de 160% em relação a 2015; em seguida zika (524). Embora haja crescimento no quadro nacional de chikungunya, o estado registrou 7 casos positivos, segundo a Coordenação Estadual de Combate ao Aedes da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa).

O Comitê Estadual de Combate ao Aedes Aegypti e Enfrentamento da Microcefalia começa o ano reforçando as estratégias de atuação, que é envolver a população no combate ao mosquito. Na próxima sexta-feira (13) serão capacitados cerca de 200 militares para atuarem em Porto Velho em visitas domiciliares com o objetivo de orientar a população para identificação e eliminação de criadouros.

A preocupação do estado frente a essas doenças é a gravidade dos sintomas em pacientes que evoluem para o estado crônico e precisam de um acompanhamento diferenciado no sistema de saúde. Em caso de surto, pode ocasionar uma sobrecarga nos serviços de saúde da rede pública.

Tanto no caso da chikungunya, que até o momento não existe tratamento específico, como no caso da dengue, os sintomas são tratados com medicação para a febre (paracetamol) e as dores articulares (anti-inflamatórios). Não é recomendado usar o ácido acetil salicílico (AAS) devido ao risco de hemorragia. Recomenda‐se repouso absoluto ao paciente, que deve beber líquidos em abundância.

Com relação à prevenção, como a doença é transmitida por mosquitos, é fundamental que as pessoas reforcem as medidas de eliminação dos criadouros de mosquitos nas suas casas e na vizinhança. As medidas que as pessoas devem tomar são exatamente as mesmas recomendadas para a prevenção da dengue.

Leia mais:
Agevisa planeja estratégias de combate ao mosquito aedes aegypti em Rondônia


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Marilza Rocha
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Água, Capacitação, Governo, Rondônia, Saúde, Serviço, Sociedade


Compartilhe