Governo de Rondônia
Terça, 02 de março de 2021

AGRONEGÓCIO FAMILIAR

Comitiva de Mato Grosso quer conhecer como Rondônia se tornou maior produtor de peixe do País

02 de março de 2016 | Governo do Estado de Rondônia

Para conhecer o que levou Rondônia a ocupar o primeiro lugar na produção de pescado, em nível nacional, em especial a criação de pirarucu pela agricultura familiar, uma comitiva do Estado do Mato Grosso encerra nesta quarta-feira (2) a visita iniciada na segunda-feira (29). Em reunião no  auditório da Federação das Indústrias de Rondônia (Fiero), em Porto Velho, o secretário de Estado da Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários de Mato Grosso (Seaf-MT), Suelme Fernandes, observou que 20% da população brasileira tem Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Europa, enquanto o restante vive como na África, por isso querem conhecer como Rondônia atingiu o patamar de maior produtor de peixes do País.

Comitiva mato-grossense conhece criação de pirarucu em Rondônia

Comitiva mato-grossense conhece criação de pirarucu em Rondônia

Para conhecer o que levou Rondônia a ocupar o primeiro lugar na produção de pescado, em nível nacional, em especial a criação de pirarucu pela agricultura familiar, uma comitiva do Estado do Mato Grosso encerra nesta quarta-feira (2) a visita iniciada na segunda-feira (29). Em reunião no  auditório da Federação das Indústrias de Rondônia (Fiero), em Porto Velho, o secretário de Estado da Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários de Mato Grosso (Seaf-MT), Suelme Fernandes, observou que 20% da população brasileira tem Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Europa, enquanto o restante vive como na África, por isso querem conhecer como Rondônia atingiu o patamar de maior produtor de peixes do País.

Além do secretário, a comitiva é composta pelo deputado estadual daquele estado, Baiano Filho; quatro técnicos da Empresa Mato-Grossense de Pesquisa e Extensão Rural (Empaer), chefiada pelo coordenador de piscicultura, Jair Siqueira; e o assessor de comunicação social, Henrique Pimenta.

No primeiro contato houve apresentações de diversos órgão sobre as soluções encontradas pelo governo rondoniense para alavancar o agronegócio familiar no estado. A primeira apresentação tratou da legislação adotada, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam), que permitiu a criação de tambaqui (85%), pirarucu (8%), pintado (4%) e jatuarana (3%) em Áreas de Preservação Permanente (APP), em tanques escavados. Este primeiro passo foi determinante para Rondônia alcançar o primeiro lugar em produção de peixe nativo em cativeiro do Brasil.

Em seguida a Agência de Defesa Agrosilvopastoril de Rondônia (Idaron) mostrou os cuidados adotados para a sanidade dos animais aquáticos. Assim como é feito com relação ao gado, os criadouros de peixes são vistoriados, e a qualidade da água é monitorada a fim de evitar doenças.

De acordo com Jander Plaça, gerente de Aquicultura e Pesca da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), o perfil do piscicultor de Rondônia mostra que 70% está na agricultura familiar. O levantamento feito pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) mostra ainda que a cadeia produtiva do pirarucu se mostrou viável a partir da adoção do Sistema Integrado de Criação, em que os dejetos do peixe servem como adubo para o açaí, a pimenta, o abacaxi, a melancia e o cacau. As demais frutas, hortaliças e olerícolas também passam a se beneficiar desse adubo.

As questões de mercado, que envolvem desde a produção, a logística, o levantamento de consumidores potenciais, a comercialização e o marketing foram abordadas na apresentação feita pelo Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequena Empresa (Sebrae), abordando, inclusive, a ‘chipagem’ (marcação eletrônica que consiste na introdução de um “chip” do peixe, com uma numeração de identificação), que permite a exportação do pirarucu de Rondônia para países da Europa, América do Norte e Ásia.

o Secretário da Agricultura, Evandro Padovani, ao recepcionar os visitantes em nome do governador Confúcio Moura, lembrou que o que levou Rondônia ao patamar de maior produtor nacional de peixe em cativeiro, foi o conjunto das ações de todos os órgãos envolvidos no processo.

Padovani disse que Rondônia é também o único estado brasileiro com certificação internacional. Pelo menos 85% de tudo que é produzido no campo vem da agricultura familiar. “Somos ambiciosos. Assim como dobramos a produção de café (de 12 para 24 sacas por hectare) com plantas clonais, queremos que o nosso micro e pequeno agricultor disponha do que há de mais moderno em tecnologia para aumentar sua produção de peixes e seus ganhos. Por isso convido a todos para a 5ª Rondônia Rural Show, que acontecerá em Jí-Paraná, de 25 a 28 de maio”, reforçou.

Saiba mais:

Rondônia é líder nacional em produção de peixe nativo de água doce em cativeiro

Agência de Defesa Sanitária de Rondônia será responsável pela qualidade do peixe criado em cativeiro

Governo quer que população rondoniense consuma mais peixe, em especial o pirarucu

 


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Marco Aurélio Anconi
Fotos: Marco Aurélio Anconi
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Agricultura, Agropecuária, Água, Capacitação, Convênios, Distritos, Ecologia, Economia, Empresas, Governo, Indústria, Infraestrutura, Meio Ambiente, Piscicultura, Rondônia, Tecnologia, Terceiro Setor


Compartilhe