Governo de Rondônia
Sábado, 12 de junho de 2021

PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL

Cooperativa de Jacilândia assina termo de cooperação para projeto de aproveitamento integral do babaçu

21 de junho de 2017 | Governo do Estado de Rondônia

Foi a assinado um termo de cooperação entre instituições públicas do governo de Rondônia, entre elas Emater-RO e Seagri, e as organizações sociais privadas: Cooperativa Agropecuária e Extrativista dos Agricultores de Jacilândia (Cooperlândia ) e o Instituto Índia Amazônia,  para dar início a um projeto de aproveitamento integral dos frutos do coco babaçu, Orbgnia phalerata, espécie de ocorrência espontânea em Rondônia,  este projeto tem apoio do Sebrae e da Universidade Federal de Rondônia (Unir).

O babaçu é vinculado ao conceito de produto ambientalmente correto

O coco babaçu é nativo em toda a Amazônia e alguns estados do Nordeste e Sudeste, a sua exploração se dá pelo extrativismo, e seu principal produto é a amêndoa muito rica em óleo comestível e também utilizado na indústria de cosméticos.

Outras partes do fruto também são utilizadas: do mesocarpo se faz  uma farinha, tida como alimento funcional, capaz de auxiliar na cicatrização, cura da anemia, e atuar como anti-inflamatório. O endocarpo é aproveitado na forma de carvão, que pode gerar calor até três vezes mais do que o carvão convencional de madeira.

Do ponto de vista econômico, os produtos do babaçu estão muito vinculados ao comercio alternativo, de produtos socialmente justos e ambientalmente desejáveis, já que como produto do extrativismo não exige desmatamento ou qualquer manejo de solo para sua produção, e auxilia as famílias agricultoras na produção de alimentos de qualidade, e a complementarem a renda com a venda dos produtos.

A extração da amêndoa do babaçu ainda é muito difícil por causa da dureza do fruto, mas para vencer essa dificuldade já existem vários estudos inclusive de pesquisadores da Unir, que estudam o ponto de secagem para a soltura das amêndoas do endocarpo, e força mecânica necessária em uma máquina para a quebra do fruto.

O termo de cooperação prevê assistência técnica da Emater-RO aos cooperados para uma coleta segura e produtiva dos frutos do babaçu. Da parte da Seagri, os agricultores têm o apoio necessário à instalação e formalização da agroindústria de farinha e processamento da amêndoa para extração do óleo a frio, condição que agrega maior valor econômico ao produto, diz o presidente da Cooperlândia José Filipe Tiago.

Leia mais:
Agroindústria de Ariquemes cria linha de produtos light à base do palmito do babaçu


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Enoque de Oliveira
Fotos: Irene Mendes e Robson Paiva
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Agricultura


Compartilhe