Governo de Rondônia
Segunda, 14 de junho de 2021

PECUÁRIA

Emater de Porto Velho recadastra vacinadores de brucelose

21 de fevereiro de 2017 | Governo do Estado de Rondônia

Pequenos pecuaristas e vacinadores cadastrados pela Emater-RO lotaram a sede social da Associação dos Empregados da Emater-RO (Asser), na manhã desta segunda-feira, para atualizar as carteiras de vacinadores voluntários e dar início à campanha anual de controle da brucelose 2017.

Recadastramento de vacinadores de Brucelose-Fotos IRENE MENDES (2)Desde que o Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) lançou o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose (PNCBT), o estado de Rondônia vem se destacando pela eficiência e eficácia da vacinação em massa das bezerras de 4 a 8 meses, das espécies bovina e bubalina.

A legislação brasileira exige que a vacina contra a brucelose, só seja feita sob a responsabilidade de um médico veterinário, devidamente autorizado pelo departamento de controle de zoonoses do MAPA. Com poucos médicos veterinários, e um rebanho, que em 2003, já passava de 10 milhões de cabeças, Rondônia teve que criar sua própria metodologia para atender a obrigatoriedade de vacinação contra brucelose.

O programa PNCBT foi criado no ano de 2000, mas só passou a vigorar a obrigação da vacina em 2003. Para essa missão o governo do Estado chamou a Emater-RO para executar as vacinações, já que a Agencia Idaron como órgão fiscalizador estava impedido de vacinar.

No inicio todos os extensionistas rurais da Emater-RO foram capacitados para vacinar, sob a supervisão de um médico veterinário, que também fazia as prescrições para compra das vacinas e emitia os atestados, para serem apresentados pelos agricultores na Idaron.

Envolver todos os técnicos na vacinação da brucelose foi muito importante no inicio, Logo nos dois primeiros anos do programa no estado alcançou índices de vacinação surpreendentes, superando até estados tradicionais na pecuáriaRecadastramento de vacinadores de Brucelose-Fotos IRENE MENDES (1).

Os inquéritos para aferição da prevalência da doença são feitos a cada 10 anos,o último realizado em 2014 apontou um índice de 12% de focos na amostra examinada, com 113 propriedades. O índice ainda é alto, mas já caiu muito, em 2004, quando foi feita o primeiro inquérito a prevalencia era de 35%, revelam os relatórios da Idaron.

Para se considerar um foco, basta um único animal dar positivo e a propriedade será considerada um foco, diz Adelmar Rocha, coordenador do PNCBT na agencia Idaron.

Para dar continuidade ao programa de imunização contra a brucelose e liberar os técnicos da Emater-RO para atender outras necessidades dos agricultores o governo de Rondônia adotou a estratégia de capacitar criadores, para serem vacinadores voluntários.

Recadastramento de vacinadores de Brucelose-Fotos IRENE MENDES (3)A Emater-RO realizou capacitações com aulas teóricas e práticas, ministradas pelas médicas veterinárias Silvana Arnez e Gilvania Carvalho, preparando os novos vacinadores a fim de manter a eficácia do programa no Estado e evitar os riscos de contaminação das pessoas envolvidas no trabalho.

A brucelose é uma zoonose que causa grandes perdas econômicas e muitos transtornos sociais com a contaminação de pessoas, mas a estratégia adotada pelo governo de Rondônia está funcionando. Os agricultores ostentam orgulhosos suas carteirinhas de vacinadores.

O vacinador voluntário, Antônio Bezerra Martins, mostra com uma certa vaidade, sua carteirinha e diz que quando vacina as bezerras dos vizinhos não cobra nada, “porque afinal de contas, um criador sempre precisa do outro e este é um trabalho que faço com prazer”, garante o agricultor.


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Enoque Gonçalves de Oliveira
Fotos: Irene Mendes
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Agropecuária


Compartilhe