Governo de Rondônia
Quarta, 03 de março de 2021

SEMINÁRIO DE GESTÃO

Especialista aponta desafios do Governo Eletrônico e relata experiência na implantação do sistema no executivo federal

26 de fevereiro de 2016 | Governo do Estado de Rondônia

Com a palestra “Governo Eletrônico: Transparência e Oportunidade para os Governos”, o coordenador do projeto de integração dos sistemas de informação do executivo federal mediante a utilização do E-Ping, Marcos Vinícius da Costa, fez um relato dos desafios da experiência de sua implantação iniciada em 2010, durante sua exposição na tarde dessa quinta-feira (25), no 2º Seminário de Gestão Pública, no Teatro Guaporé, anexo ao Teatro Palácio das Artes, em Porto Velho. O governador Confúcio Moura prestigiou a palestra.

Palestrante responde perguntas do publico

Palestrante responde perguntas do público

O E-Ping é um modelo (documento) global de dados que trata dos padrões que permitem a integração dos sistemas de informação adotados pelos diversos órgãos do governo federal. Esse processo, iniciado e consolidado nos Ministérios da Fazenda e Planejamento, culmina com o governo eletrônico, que segundo o palestrante apresentou dois desafios.

“O primeiro deles foi como integrar a cadeia de macroprocessos de planejamento, orçamento e finanças, com a quantidade de ministérios, secretarias e departamentos que se tem, para se criar uma visão de que o governo é provedor de serviços para a sociedade, e isso é transversal, deve varrer todo o governo, com origem na previsão de receita e saída de despesa, para atender à sociedade”, explicou Marcos Vinicius.

Nesse processo de buscar a integração de informações, ele conta que um entrave foi detectado: os sistemas de informação do governo federal são fragmentados. “Cada ministério, cada secretaria e departamento dentro dos ministérios tem um sistema de informação diferente. A fragmentação fica mais grave quando são sistemas antigos; aí não consegue integrar mesmo, porque é questão de padrão tecnológico. Fica muito caro pegar o sistema mais antigo e trazer para uma versão mais nova”, explicou o palestrante.

A solução recomendada pelo E-Ping é manter a situação e começar a trabalhar com novos serviços dentro dos padrões de interoperabilidade, conceito definido pelo palestrante como a capacidade de sistemas e organizações trabalharem em conjunto. “Juntar estruturas diferentes, sejam de sistemas e organizações, e fazer com que consigam trocar informações”, disse Marcos Vinicius.

Para fazer a interoperabilidade, o gestor precisa orquestrar os órgãos.

O palestrante disse que o segundo desafio para a adoção do governo eletrônico é que os sistemas não apoiam o processo decisório. “Você não usa os padrões para sistema legado (antigo) porque foi feito há muito tempo, e você tem desconhecimento de como usar os novos serviços. Os gestores de governo tradicionalmente não são administradores, e a demanda deles para a informação é uma demanda não só não estruturada como de ordem particular. Como acessar isso em sistemas mais antigos?”, indagou  Marcos Vinicius.

Essa realidade encontrada no governo federal há cinco anos é uma situação parecida com a de muitas regiões do Brasil, inclusive Rondônia, que foca no propósito de “deixar o estado integrado, modernizado, com processos de informação simplificados”, disse o governador Confúcio Moura ao fazer intervenção após uma mesa redonda com servidores que atuam com tecnologia da informação nas Secretarias de Finanças e Educação, o diretor-executivo de Tecnologia da Informação e Comunicação (Detic), Ronaldo Sawada Viegas; e o palestrante.

“Queremos que nosso estado seja melhor entendido, senão vira uma torre de babel, um presta uma informação, outro presta outra, e fica o cidadão andando de cima para baixo sem entender as nossas linguagens”, complementou o governador.

Ele registrou a importância da Detic, criada em 2011. “É o grande tradutor de tudo. Precisa traduzir as linguagens e colocar num sistema adequado para dar facilidade ao governo, para o governo poder conversar, porque hoje cada secretaria ainda trabalha com seu programa, seu jeito”.

Na interação com o público, Confúcio Moura disse que o estado não pode ser torre de babel

Na interação com o público, Confúcio Moura disse que o estado não pode ser torre de babel

A adoção do E-estado, programa conduzido pelo órgão, foi citado pelo governador como exemplo de esforço de modernização de Rondônia.

“Eu acredito que com cada um de vocês [gestores e funcionários] aqui presentes colocando o conhecimento individual no conjunto, no desejo de fazer, podemos chegar até o final do governo com as secretarias integradas”, disse Confúcio Moura, agradecendo ao palestrante pela exposição.

IMPORTÂNCIA E URGÊNCIA

A importância do governo eletrônico, de integrar sistemas, pelo governador Confúcio Moura demonstrada, é exatamente a condição necessária para os gestores terem uma visão do processo, reconhecerem, segundo Marcus Vinicius, a responsabilidade de cada ator envolvido e de entender o que cada um espera do outro.

“O desafio da integração é como lidar com a importância e a urgência.  Porque os órgãos estão sempre no sentido da urgência e não da importância. Para resolver o problema, se duplicam coisas que poderiam pegar noutro sistema. E a grande parte das redundâncias ocorre porque o gestor, o servidor, não sabe o que pegar e nem onde pegar. É uma dimensão complicada da interoperabilidade”, declarou Marcos Vinicius.

O palestrante disse ter ficado bem impressionado com a vontade demonstrada pelo governo de produzir a transformação em seus sistemas de informação, declarando ao governador que hoje a dimensão técnica está totalmente superada, “com padrões fortes e regulamentados”,  existindo no mercado não apenas o E-Ping mas muitos outros que podem ser utilizados.

O Governo Eletrônico do executivo federal, envolvendo nove sistemas de informação do Ministério do Planejamento e um do Ministério da Fazenda, levou um ano e meio para ser consolidado. “Foi um desafio que conseguimos vencer, com um modelo global de dados transversal para todo o governo, e esse processo, a integração, é possível aplicar em outros órgãos, ministérios”, disse Marcus Vinicius, que juntamente com os técnicos do estado da área de tecnologia da informação  respondeu a diversas perguntas de funcionários presentes.

Esta e as demais palestras do 2º Seminário de Gestão Publica estão sendo todas gravadas, e a Superintendência Estadual de Assuntos Estratégicos (Seae) irá dispor de todo o conteúdo na internet.

Saiba mais:

Estrutura do estado será híbrida no futuro, diz especialista em administração

Com investimento em qualificação, gestores confiam que Rondônia evolui na governança

Seminário de Gestão Pública supera expectativas com palestras de especialistas em diversas áreas, em Porto Velho

Na abertura de seminário, Confúcio Moura diz que Estado tem de funcionar bem com qualquer governador


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Mara Paraguassu
Fotos: Ésio Mendes
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Capacitação, Educação, Evento, Governo, Legislação, Rondônia, Serviço, Servidores, Tecnologia


Compartilhe