Governo de Rondônia
Quinta, 04 de março de 2021

SAÚDE PÚBLICA

Famílias precisam auxiliar no diagnóstico de casos de depressão, apela equipe multidisciplinar do Hospital de Base

13 de março de 2017 | Governo do Estado de Rondônia

transito-porto-velho_05-01-2016_-jeferson_mota-1-17

Estima-se que atualmente mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades sofram com a depressão no país

Desde o início de suas atividades, 34 anos atrás, o Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro atende casos de depressão. Mesmo ainda havendo visão distorcida, atualmente a doença adquire visibilidade, e com isso a equipe multidisciplinar do setor se desdobra para socorrer as vítimas.

Quarta causa principal de incapacitação em todo o mundo, a depressão será, até 2030, o mal mais prevalente do planeta, à frente do câncer e de algumas doenças infeciosas.

Estima-se que atualmente mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades sofram com a doença que mais contribui para a incapacitação pessoal e é a principal causa de morte por suicídio – 12 mil casos por ano, ou 32 por dia, no Brasil, que ocupa a 8ª posição no ranking mundial.

Em Porto Velho funcionam três centros de atendimento psicossocial (CAPs) municipais e um estadual, e no interior, as grandes cidades também contam com os serviços dessa unidade. No Hospital João Paulo II, médicos avaliam a necessidade ou não de internação especial. Na maioria das vezes ocorrem casos leves, entretanto, a equipe vem notando o aumento de sintomas psicóticos, que são encaminhados para atenção secundária.

Na capital, apenas um hospital particular atende pacientes em estado grave e pessoas carentes. E é necessário minucioso estudo da genética da pessoa e de familiares, para se constatar predisposição à doença, o que se observa em situações conjugais e de trabalho.

Entre as principais doenças desencadeadoras da depressão, a equipe destaca a hipertensão arterial e alteração de tireoide, bem comuns em Porto Velho, em diferentes classes sociais.

Depressão-Joelma Sampaio-Vice Diretora, Hospital de Base - 13-03-2017-Jeferson mota 1 (2)

Joelma Sampaio, diretora-adjunta do HB

“É quase impossível diagnosticar a doença por exames. Geralmente, ela é confundida com a tristeza normal, e os sintomas podem passar despercebidos nas famílias”, alerta a médica psiquiatra Thaís Campos, da Equipe Multidisciplinar do HB.

Mesmo se defrontando com números assustadores, a psiquiatra corrige exageros: “Não há um boom depressivo, o que existe é o avanço do diagnóstico bem feito, o que torna a doença mais falada.”

A ala psiquiátrica do HB atende mensalmente a 50 pacientes.  “Hoje atendemos casos moderados e os graves também”, diz Joelma.

Durante a internação as pessoas se preocupam em saber quanto tempo permanecerão internadas. Estatísticas demonstram que o tempo médio é de 15 a 20 dias, o suficiente para os remédios fazerem efeito e a família receber o devido suporte. “A equipe trabalha permanentemente acionando órgãos públicos e faz o rastreamento da parentes e familiares, quando estes são ausentes”, explica Joelma Sampaio.

No Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro trabalham na equipe multidisciplinar: cinco psiquiatras, em clínico geral, dois psicólogos, uma assistente social e um terapeuta ocupacional. A Sesau conta no momento com apenas dez psicólogos para atender a população, quando o ideal seriam pelo menos 30. São oferecidos aos pacientes os suportes  médico, nutricional, psicológico, social e terapêutico.

Depressão-Dr. Thais Campos-Psiquiatra-13-03-2017-Jeferson mota 1 (2)

Médica psiquiatra Thaís Campos

RECÔNDITOS

Thaís Campos lembra que, nos postos de saúde, depressivos não contam tudo o que sentem e até as próprias famílias deixam de percebê-las. “Muitas vezes, pessoas preconceituosas imaginam que sejam pitis a doença ainda não diagnosticada”, lamenta.

Pitis são situações de irritação, esbravejamento e de agressão.

“Se com adultos é difícil, imagine com criança”, comenta a diretora-adjunta do HB, Joelma Sampaio.

“Não existe o psiquiatra sem o psicólogo”, diz Thaís, alertando para a necessidade do tratamento psicoterápico ao mesmo tempo do medicamentoso.

A diretora alerta para falhas cometidas por famílias desatentas “que supõem ser birra ou manha a dor da criança deprimida que está fora de sua rotina habitual. Adultos desconsideram o conceito revelador de que a criança também padece disso”, emenda Joelma.

“Quando saem daqui, os pacientes passam a ser atendidos pelos CAPs, e as equipes de lá organizam datas de consultas, dias de medicação, evitando a descontinuidade do tratamento, na capital e no interior do estado.”

O QUE FAZER

► A pessoa com sintoma deve procurar a atenção básica, recomenda a Equipe Multidisciplinar do HB. Nem sempre os sintomas são apenas angústia e tristeza, porém, alterações de apetite, sono e do próprio comportamento.

► É preciso que a família perceba situações de tristeza e isolamento social do indivíduo, e sua duração, colaborando assim para o diagnóstico.

► No fluxo da doença, as escolas são importantes, ao lado da atenção primária. Recomenda-se que os pais ou responsáveis acompanhem crianças entristecidas até o hospital.

NÚMEROS DO CONTRASTE

► O Brasil é o quinto país mais alegre do mundo, e ao mesmo tempo, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), 5,8% dos brasileiros sofrem de depressão, o maior índice da América Latina e o quinto maior do planeta.

► Segundo a mesma investigação, 9,3% da população possui algum tipo de transtorno de ansiedade – um número três vezes maior que a média mundial.


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Jeferson Mota
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Assistência Social, Capacitação, Distritos, Governo, Inclusão Social, Justiça, Legislação, Saúde, Serviço, Servidores, Sociedade, Solidariedade


Compartilhe