Governo de Rondônia
Sábado, 12 de junho de 2021

SAÚDE PÚBLICA

Fundação de Hematologia de Rondônia está entre os 10 melhores bancos de sangue do país

22 de maio de 2015 | Governo do Estado de Rondônia

A fundação rondoniense está entre as 10 melhores do Brasil

A fundação rondoniense está entre as 10 melhores do Brasil

Em dois anos, a Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Estado de Rondônia (Fhemeron) saiu da condição de segundo pior do Brasil para se posicionar entre os dez melhores hemocentros do país, fruto de um choque de gestão a que foi submetida e de importantes investimentos que revolucionaram desde o atendimento até a metodologia de coleta, análise e armazenagem de sangue no Estado de Rondônia.

Segundo o presidente da Fundação, médico Orlando Ramires, por determinação do governador Confúcio Moura, a qualidade em sua gestão passou a ser obsessão, uma meta a ser perseguida, já que sob sua ótica outras atividades podem até conter erros justificáveis, mas não a Fhemeron, ante o risco que isso pode representar. A ideia é possibilitar segurança e conforto aos doadores de sangue, e a plena qualidade dos exames das amostras.

O presidente da instituição afirmou que para se atingir este nível de satisfação foram feitos investimentos de cerca de R$ 4 milhões nos últimos dois anos. Ele cita que além das estruturas físicas que passaram por reformas ou que foram construídas, o estado investiu vultosas somas na aquisição e troca das máquinas de análises da Fhemeron, descartando o método da técnica elisa e adotando a quimioluminescência, uma metodologia moderna utilizada em países do primeiro mundo, como a França, de excelente precisão, que afasta a possibilidade de erros.

Segundo Ramires, pela metodologia anterior era imprescindível a interferência humana (dos técnicos), na realização dos exames, aspecto que foi eliminado com a adoção da técnica da quimioluminescência que, com tecnologia de última geração, realiza o exame, e dependendo do resultado reanalisa a amostra para não deixar dúvida. E para atingir o nível de qualidade exigido na Fhemeron, após o resultado a bolsa de sangue analisada percorre um longo caminho para manutenção de sua qualidade até chegar à distribuição com a segurança desejada.

MEDULA PARA TRANSPLANTE

Para se ter ideia do resultado desse trabalho contínuo em busca do aprimoramento para a melhoria da prestação de serviço, Rondônia hoje é referência na busca e captação de medula para transplante, com registro em rede nacional, “um feito que justifica os investimentos e nos enche de orgulho”, afirma o especialista em saúde pública Clemente Cantanhede, assessor da Fhemeron.

O médico Orlando Ramires, presidente da Fhemeron

O médico Orlando Ramires, presidente da Fhemeron

Na defesa de seu ponto de vista sobre a importância da qualidade do serviço da Fundação, Orlando Ramires explicou que há registro na história médica de falhas até grotescas na prestação de serviços, “mas aqui não podemos dar ao luxo de errar, pois se isso ocorrer, e se for distribuída uma bolsa de sangue contaminado o resultado será desastroso, fatal”, disse o médico que tem o hábito de ser o primeiro a chegar à instituição, às 7h, e fazer reuniões semanais com a equipe para discutir e planejar as ações.

Para assegurar e manter o nível do trabalho que defende, o médico informou que o sistema e a metodologia empregada nos hemocentros de Ariquemes Ji-Paraná, Rolim de Moura, Guajará-Mirim, Cacoal e Vilhena é o mesmo empregado na sede da Fhemeron em Porto Velho, que centraliza e monitora as ações (interligadas) de todas essas unidades, cujo padrão é igual ao das melhores instituições da área em todo o mundo.

O presidente da Fhemeron disse ainda que a necessidade de implantar um novo modelo de gestão foi exigência do governador Confúcio Moura, que além de chefe do Executivo estadual é médico com larga experiência profissional, e por sua sugestão uma das principais medidas foi contratar uma empresa especializada em manutenção com reserva técnica e experiência nos principais hemocentros do país, “que não se limita ao trabalho de passar um paninho, mas que desenvolve um complexo de atividades que vai da limpeza propriamente dita até a calibragem de todos os equipamentos com especialistas e tecnologia de ponta. O que nos dá uma grande segurança”, pontuou o médico Orlando Ramires.


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Cleuber R Pereira
Fotos: Maicon Lemes
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Governo, Saúde, Serviço, Tecnologia


Compartilhe