Governo de Rondônia
Terça, 27 de julho de 2021

Governo discute medidas para recuperação de Porto Velho no pós-enchente

20 de março de 2014 | Governo do Estado de Rondônia

Em relação a moradias, o governo está trabalhando em duas situações: A das famílias que se inscreveram no programa habitacional Morada Nova, na capital, e que residem em bairros atingidos pela enchente e a situação das famílias que estão desabrigadas e não estão inscritas no programa habitacional.

reuniao pref gov
Medidas para a reconstrução de Porto Velho após as enchentes que desabrigaram milhares de pessoas e danificaram residências e comércios de vários bairros da Capital foram discutidas em reunião no Palácio Getúlio Vargas, na manhã desta quinta-feira, 20, entre o governador Confúcio Moura, o prefeito Mauro Nazif, secretários estaduais e municipais, além de representantes da Defesa Civil estadual e municipal.

“A partir de agora temos que planejar e executar ações específicas para resolver todas as problemáticas causadas pelas enchentes, que envolve várias situações, desde moradias para desabrigados até a reconstrução de distritos inteiros, como é o caso de São Carlos e Nazaré, no baixo Madeira”, disse o governador Confúcio Moura.

Confúcio Moura destacou ainda que estado e município devem atuar também na busca de medidas para conter que futuras enchentes, voltem a atingir a capital e outras cidades margeadas pelos rios de Rondônia. “Temos que buscar soluções que sejam efetivas na contenção das águas em períodos de grandes enchentes”.

MAURO EXPOE

Mauro Nazif expôs as medidas que estão sendo tomadas pela prefeitura para atender aos desabrigados e atingidos pela enchente. “A prefeitura já enviou à Caixa Econômica Federal a relação das famílias que estão desabrigadas ou desalojadas, para que seja feita a liberação do FGTS para essas pessoas”.

Confúcio Moura lembrou que ao se retirar o pessoal das áreas atingidas pelas enchentes, como é o caso dos bairros triângulo, Balsa, Nacional, a prefeitura deve realizar obras estruturantes naqueles locais para se “evitar que haja uma reocupação e os problemas voltem a acontecer.

Moradia

Na questão de moradias para as famílias desabrigadas que não poderão retornar para suas casas após o rio baixar, Nazif informou que a prefeitura tem 150 unidades habitacionais para entregar até junho, já destinadas às famílias que moram no Bairro da Balsa, um dos atingidos pela enchente.

Por essa razão, o governador anunciou que irá à Brasília solicitar o número suficiente de casas ao Ministério da Integração para atender a todos os desabrigados da enchente do Madeira, mas para isso, solicitou da Defesa Civil, a atualização dos dados no sistema para que se possa chegar a números exatos e confiáveis.

Outro benefício garantido pela prefeitura, de acordo com o prefeito Mauro foi o Auxílio Moradia, que corresponde à transferência de recursos financeiros no valor de R$ 180,00 a cada família desabrigada.

 MESA REUNIAO

O secretário de Assistência Social de Rondônia, Márcio Felix, explicou que na questão de moradia, o estado está trabalhando em duas situações: A das famílias que se inscreveram no programa habitacional Morada Nova, na capital, e que residem em bairros atingidos pela enchente e a situação das famílias que estão desabrigadas e não estão inscritas no programa habitacional.

“Na primeira situação, das famílias inscritas e que estão desabrigadas, a Seas, já está priorizando a análise desses cadastros. Na segunda situação, dos que não se inscreveram, a Seas está trabalhando na realização de um cadastro social onde serão levantadas as demandas para esse público e a partir desse cadastro será feita a análise das famílias que poderão se enquadrar ou não nos programas habitacionais”, explicou Márcio Felix.

O secretário lembra ainda que o Residencial Orgulho do Madeira é destinado às famílias que moram na área urbana da capital, portanto, não poderá atender às populações ribeirinhas dos distritos.

 CONFUCIO

Distritos

O governador pediu de sua equipe e da prefeitura análises da situação atual e do que será realizado depois das águas baixarem. O que foi perdido em termos de bens materiais e em produção agrícola para que se possam realocar recursos, linhas de crédito e até perdão de algumas dívidas.

Confúcio lembrou que algumas pessoas são muito carentes e que necessitarão ser assistidas por mais tempo no pós-enchente. Para isso foi solicitado da equipe técnica que seja verificado junto a outros estados que passaram por problemas semelhantes se há algum tipo de Bolsa Auxílio para este tipo de situação.

Preocupado, o governador sinalizou que é preciso verificar as reconstruções das obras físicas, as pontes, estradas, a situação dos bairros e distritos”, enfatizou o governador lembrando que serão necessários muitos projetos para a busca de recursos em Brasília.

O prefeito Mauro Nazif lembrou que a população de São Carlos e Nazaré, especialmente, quer um novo local para reconstruir suas casas, “muitos não querem nem a casa, mas um local seguro para reconstruir suas vidas”.

Na capital e nos distritos do alto Madeira, a preocupação é para a quantidade das casas e a necessidade de realocar o mais rápido possível essas pessoas. Mauro lembrou das 400 casas em Nova Mutum que estão desocupadas e que poderão receber parte da população de Jacy-Paraná. Segundo ele, Jirau aceita conversar sobre esta situação.


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Luana Lopes - Assessoria Seas e Geovani Berno -Decom
Fotos: Fotos: Marcos Freire
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Assistência Social


Compartilhe