Governo de Rondônia
Quarta, 12 de maio de 2021

Governo e Unir discutem nova parceria em busca de adesão ao programa “Mais Médicos”

07 de março de 2014 | Governo do Estado de Rondônia

 governador Confúcio Moura se reuniu com a reitora da Unir, profª Drª Maria Berenice Alho Tourinho, na manhã de quinta-feira, para discussão da nova parceria entre as duas instituições com o Ministério da Educação (MEC) para inclusão da universidade ao programa “Mais Médicos” e a transferência do prédio do distrito do Iata.

O governador fez um balanço sobre outros temas envolvendo o desenvolvimento estadual, e afirmou que esteve recentemente em Brasília, no MEC, onde ouviu do ministro uma queixa quanto ao distanciamento entre Unir e Ministério da Educação, devido a não adesão da universidade ao programa “Mais Médicos”, quando se colocou à disposição para ser o mediador do tema.

 

Também relatou sua preocupação com o prédio construído no distrito do Iata, em Guajará-Mirim, para ser um hotel modelo, mas que depois de concluído, foi entregue à Fundação Riomar, que hoje não existe mais, e por isso o governador deseja a transformação do prédio num centro de formação. “Uma espécie de incubadora de empresa que fomente a necessidade daquela região, seja com abacaxi, peixe, o que for necessário”, disse Confúcio.

 

A reitora Berenice disse concordar com a intermediação do governador e explicou os motivos pelos quais a Unir não aderiu, inicialmente, ao programa federal Mais Médicos. E, segundo ela, por dois motivos. O primeiro foi político, para que a universidade pudesse pleitear mais vagas para professores e o segundo porque a “Unir não tem professores para serem os tutores dos médicos cubanos. Como senhor governador, eu vou aderir a um programa se não tenho professores?”, disse a reitora.

 

Ao mesmo tempo, acrescentou: o ministério já liberou a contratação de 13 vagas, cujo concurso será aberto e finalizado até maio. “A expectativa é que apareçam profissionais interessados”, pois segundo a reitora, os salários na academia não são atrativos. A expectativa é conseguir esses docentes, especialmente para os alunos do 6º e 8º semestres que estão parados por falta de professores.

 

Infelizmente, disse ela, a região norte é esquecida pelo governo federal. “Só entramos na agenda quando há interesse econômico na região, como foi o caso das hidrelétricas, estrada do pacífico e hidrovias”, comentou. Como somos fracos, não “conseguimos impor nossa agenda”.

 

Iata

 

Sobre a obra no Iata, a reitora informou ao governador e ao secretário da educação, Emerson Castro, que há duas possibilidades. A primeira, fazer a doação ao Ifro, mas como eles já tem uma estrutura na cidade fica mais difícil. A outra, disse ela, é fazer a doação ao governo estadual para transformá-lo num centro de treinamento. Mas à época quem recebeu o prédio foi a Riomar, que possui pendências com a Suframa. E isso precisa ser resolvido.

 

O governador destinou então dois servidores do estado para resolverem essas pendências junto a Superintendência do Patrimônio da União, SPU e junto a Suframa, pois assim “iremos ocupar logo o prédio e buscar o desenvolvimento daquela região”, afirmou.

 

Incubadora e Convênios

Confúcio pediu para que a Unir, através do curso de Administração assuma a questão das incubadoras de empresas para dar capacitação aos moradores da região, iniciando como um laboratório, o município de Guajará-Mirim. A reitora pediu ao governo que estabeleça as prioridades para que a Unir possa auxiliar neste processo o desenvolvimento do estado.

 

A assinatura de um convênio entre o governo e a Unir para o desenvolvimento do curso de Direito em Guajará-Mirim também foi discutida, embora a proposta ainda necessite de atualização e estudo das contrapartidas do estado, como a aquisição da bibliografia para o curso entre outros.

 

Além da utilização do prédio do Iata para funcionamento do curso de ecoturismo, também foi defendida a ampliação de vagas no curso de medicina, de 50 para 100.  A proposta define o aumento de vagas, em especial para o campus da Unir de Ariquemes, onde poderiam ser oferecidas 50 vagas.

 

A reitora afirmou que só quem pode autorizar a implantação e oferecimento das novas vagas é o Ministério da Educação (MEC) e ficou acordado que o governador e a reitora da Unir irão a Brasília defender a proposta. Confúcio e Berenice irão ainda a Manaus para conversar com dirigentes da Suframa.

 

O secretário da Educação, Emerson Castro, que também defende a cessão do prédio do Iata para funcionar como um centro de treinamento administrado pela própria comunidade em parceria com a Emater, importante parceira no processo de revitalização e recuperação do prédio, pois tem larga experiência com projetos na área da agricultura, piscicultura e outros, sendo importante aliados na geração de empregos e rendas para os produtores rurais da localidade.

 

O secretário Emerson enalteceu o interesse do governador Confúcio Moura para com o distrito do Iata, especialmente na utilização compartilhada de educação e economia, pois entende ser uma forma diferenciada e convergente para a gestão democrática da comunidade local. “Coloco a estrutura da Seduc à disposição, dentro do que for possível, para ajudar a resgatar a cidadania e oferecer condições para que, através da educação, venha ocorrer uma significativa melhoria no progresso e desenvolvimento econômico e social da região”, disse Castro.

 

Participaram ainda da reunião o ouvidor geral, Vicente Moura e os professores da Unir, Adilson Siqueira e Graça Martins.

 

 


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Geovani Berno e Antônio Queiroz
Fotos: Marcos Freire
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Governo


Compartilhe