Governo de Rondônia
Domingo, 20 de setembro de 2020

Governo edita Lei que autoriza a compensação

24 de setembro de 2013 | Governo do Estado de Rondônia

imagen01Empresas, servidores e demais contribuintes que queiram compensar créditos tributários do Estado de Rondônia, relativos ao Imposto Sobre Circulação de Mercadorias (ICM) e Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), poderão fazê-lo amparados na Lei 3177, sancionada pelo governador Confúcio Moura e publicada no Diário Oficial, do dia 11 de setembro do corrente.

Para serem compensados, os créditos  tributários devem ter sido inscritos na dívida ativa, com os respectivos fatos geradores até 31 de dezembro de 2008, constituído contra o credor originário do precatório, seu sucessor ou cessionário, com débito da Fazenda Pública, objeto de precatório Judicial, inscritos até o dia 1º de julho de 2011.

De acordo com o auditor fiscal e assessor técnico da Secretaria de Estado de Finanças (SEFIN), Franco Ono, a edição da Lei se deu em razão de se atender ao anseio de servidores e demais contribuintes que há muitos anos pedem para que possam receber seus precatórios através da cessão de direitos a terceiros.Segundo ele, há contribuintes que lutam há mais de uma década com ações judiciais tentando a compensação para fazer a regularização fiscal de suas dívidas.

A medida é importante para o Estado porque poderá, ao se efetivar as compensações, diminuir o estoque de precatórios existentes, como também receber o ativo de créditos tributários inscritos em dívida ativa, estimados hoje em cerca de R$ 5,3 bilhões. No tocante aos precatórios estima-se um valor equivalente a R$ 1 bilhão de reais. Para a compensação dos precatórios é necessária a previsão de orçamentária; a dívida não ter sido objeto de qualquer discussão judicial ou administrativa, além de ser de titularidade do interessado.

Só poderão ser compensados débitos tributários ocorridos até 31/12/2008, com o efetivo de se resguardar a entrada de recursos em espécie dos últimos cinco exercícios, para a manutenção da máquina estadual. O  débito de R$ 3 bilhões de reais não é estático. Esse montante sofre modificação constante em relação ás cobranças  que são movimentadas e os pagamentos efetivados.

Há uma ação conjunta entre a SEFIN, a Coordenadoria da Receita Estadual (CRE), a Procuradoria Geral do Estado (PGE) na área da Dívida ativa e Procuradoria de Execuções Fiscais, com o acompanhamento das notificações administrativas; os processos de protestos e as penhoras on-line, feitas através do sistema Bacen Jud, um sistema que permite ao Judiciário, por meio da internet, determinar bloqueio, desbloqueio e transferência de valores em contas correntes e demais ativos financeiros.

Parcelas

Não poderão ser compensadas as parcelas relativas a 25%  referentes à cota-parte do município; em 9% referentes à cota vinculada da saúde; em 15% referentes a cota vinculada da educação-Fundeb; e em 3,75% referentes à cota vinculada da educação-Cota/Tesouro; devendo ser pago em espécie ou parcelado em até 60 meses; e despesas processuais de honorários advocatícios à PGE.

O pedido administrativo poderá ser dirigido à PGE e deverá ser instruído com certidão expedida pelo tribunal de origem do ofício requisitório do precatório que ateste a titularidade e exigibilidade do Precatório Judicial, a data e o valor atualizado; além da declaração de renúncia expressa e irretratável a qualquer questionamento a direito futuro; cópia da certidão dívida ativa e o pagamento das despesas processuais e de honorários advocatícios devidos à PGE.


Fonte
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Governo


Compartilhe