Governo de Rondônia
Domingo, 21 de abril de 2019

COSME E DAMIÃO

Hospital Infantil alerta as famílias sobre a leptospirose e os cuidados no período chuvoso em Rondônia

21 de março de 2019 | Governo do Estado de Rondônia

Crianças podem ser contaminadas com doenças graves e sofrer afogamento no contato com áreas alagadas e chuvas.

 

O período chuvoso em Rondônia, chamado de verão amazônico, inicia em outubro e segue até abril, onde começa a transição para o período de seca. Na reta final das chuvas mais intensas, os índices pluviométricos continuam acima da média e preocupam a rede de saúde do Estado. Em fevereiro, mais de seis mil crianças foram atendidas no Hospital Infantil Cosme e Damião. Para alertar as famílias, as recomendações são reforçadas acerca dos riscos de doenças e acidentes ocasionados nas brincadeiras na chuva ou mesmo dentro de casa, em áreas alagadas.

O Hospital Infantil da rede estadual de saúde é referência em atendimentos pediátricos de urgência e emergência, abrangendo também pela proximidade territorial outros estados e países, como a Bolívia. Com as chuvas em maior ascendência, os riscos de doenças são diversos, como a hepatite A e doenças diarreicas, mas a preocupação maior é com a leptospirose, doença causada por uma bactéria presente na urina do rato, que demanda evitar o contato sem proteção com as águas decorrentes das chuvas e enchentes. Outro fator que preocupa os profissionais de saúde e exige cuidados redobrados é com as áreas alagadas, a visibilidade nas ruas fica comprometida, tornando difícil enxergar o que está embaixo, ocasionando acidentes por submersão, levando ao afogamento.

 

“Evitar, não é pra brincar. Os pais devem impedir a brincadeira dos filhos nas águas, no período chuva”, alertou o diretor técnico do Cosme e Damião, o pediatra Daniel Pires de Carvalho.

 

Daniel Pires de Carvalho é pediatra e diretor técnico do Hospital Infantil Cosme e Damião.

Até o momento não foi registrado nenhum caso de leptospirose ou doença relacionada à água da chuva no Hospital, mas o alerta é válido para conscientização dos pais e responsáveis quanto aos sintomas, que envolvem vômito, diarreia, febre alta, dor no corpo, principalmente na panturrilha, pele e olho de cor amarelada, que exige tratamento urgente, podendo causar morte se não diagnosticado oportunamente.

O tratamento para a leptospirose é disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), e todo pediatra está habilitado a iniciá-lo. Por ser uma doença infectocontagiosa, pode afetar órgãos de forma agressiva, então o tratamento é realizado com antibiótico e internação, em casos de suspeita ou confirmação da doença, afim de observar a criança, pois sugere maiores cuidados, para evitar o óbito.

“Dependendo do estágio da doença, é possível reverter, por isso é importante com qualquer sintoma ou dúvida devido ao contato com água da chuva, que o responsável procure uma unidade de saúde da rede da prefeitura, mais próxima, para que seja feita a triagem, fazendo o diagnóstico diferencial. É importante a avaliação médica primária, e conforme a situação e gravidade do caso, o médico encaminha ao Hospital Cosme e Damião para proceder com o tratamento”, explicou o diretor técnico, recomendando que as famílias procurem as unidades de saúde próximas às suas residências, para evitar riscos de peregrinação e receber os primeiros atendimentos direcionados.

Rose de Oliveira trabalha como cuidadora de crianças e a preocupação com a saúde delas é prioridade, principalmente porque tem um filho de nove anos. Pedro Leonardo tem crises de bronquite asmática e recebeu atendimento no Cosme e Damião. A mãe, que mora na Zona Leste de Porto Velho, não se limita a aconselhar sobre os riscos de contaminações e proibir brincadeiras nas chuvas. “Ele não pode ver a chuva e quer sair para brincar. Todo cuidado é pouco, ele é meu caçula, eu nunca deixo ele sair, pois é muito perigoso. Explico pra ele e ele me entende”, contou Rose.

Rose redobra os cuidados com o filho, proibindo brincadeiras na chuva.

Em fevereiro deste ano, foram atendidas 6.630 mil crianças no hospital, sendo que quase 90% dos casos foram de atenção básica, aqueles que podem ser tratados nas unidades básicas de saúde, evitando a lotação no hospital e permitindo atenção aos pacientes em estados de urgência e emergência, conforme é referenciado para atendimentos de casos graves que necessitam de internação, UTI pediátrica e unidade de cuidados intermediários, como crianças com instabilidade clínica que precisam de atendimento especializado.

Para a limpeza em casos onde a residência foi invadida pela chuva, o ambiente deve ser limpo com água sanitária, bem como as caixas d’águas devem ficar tampadas, e o cuidado na utilização de água da cisterna deve ser maior, pois pode estar potencialmente contaminada. Por isso, a população deve seguir as orientações dos agentes de saúde, para garantir a limpeza da água, antes de ingestão ou contato.

“Importante para todos, principalmente crianças, evitar a automedicação, tem que procurar a assistência médica, só o médico vai poder identificar e tratar as doenças em tempo oportuno e identificar a gravidade da situação. Por isso a importância de procurar o atendimento. Saúde é um direito de todos e um dever do Estado, temos que fazer cumprir”, finalizou o diretor.

LEIA MAIS:

 Fiocruz RO orienta sobre riscos de transmissão da Leptospirose em Rondônia

 Lixo acumulado e água das chuvas contribuem para o aumento dos casos de leptospirose em Rondônia

 De forma lúdica, brinquedoteca do Cosme e Damião ajuda na recuperação de pacientes e facilita tratamento

 Com planejamento, número de atendimentos no Hospital Infantil Cosme e Damião deve crescer pelo menos 30% neste ano

 Lixo acumulado no período de chuva atrai animais peçonhentos às residências em Rondônia

 Exames para diagnosticar doenças autoimunes começam ser realizados pelo Laboratório de Patologia ainda no primeiro semestre deste ano


Fonte
Texto: Gaia Bentes
Fotos: Daiane Mendonça
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Água, Brasil, Governo, Informativo, Rondônia, Saúde, Sociedade


Compartilhe