Governo de Rondônia
Sábado, 27 de fevereiro de 2021

ENSINO RURAL

Instituto Abaitará começa 2016 com perspectiva de comercializar até dez mil frangos caipirão e semi-caipira

06 de janeiro de 2016 | Governo do Estado de Rondônia

Estudantes durante aula prática no Instituto Abaitará

Estudantes durante aula prática no Instituto Abaitará

Setenta litros de leite diários abastecem atualmente o estabelecimento e servem para a fabricação de queijos. Aviário, curral e aprisco [para ovinos] concluídos, 180 alunos alojados e outras dezenas na fila.  Até o início do segundo semestre estima-se em dez mil o número de cabeças de frangos de corte semi-caipira e caipirão.

Nesse ritmo, com área ampliada em 7,25 mil metros quadrados, o Instituto Estadual de Educação Rural Abaitará anunciou suas conquistas e projetos para 2016.

A escola técnica agroecológica funciona em regime de semi-internato. Seus cursos duram quatro anos para a formação de técnicos em agricultura, apicultura, floresta e terra. Para estudar ali, o aluno tem que ter concluído o ensino fundamental.

Segundo a diretora Eliane Cristina Faria, a Secretaria Estadual de Educação (Seduc) fornece atualmente um ônibus e um micro-ônibus para o transporte escolar. “Só não recebemos mais alunos porque ainda precisamos estruturar ida e volta, de manhã e à tarde, a diversos pontos da zona rural, mas é boa a probabilidade de vencermos mais essa etapa”, comentou.

O Instituto Abaitará funciona no Km 32 da rodovia 010, no Setor Abaitará, em Pimenta Bueno, a 521 quilômetros de Porto Velho.

O governo de Rondônia investiu R$ 4,15 milhões no eixo de educação, esporte e lazer, e dessa maneira o instituto pode reformar e ampliar suas unidades para formar técnicos profissionais em agroecologia.

Os 7,2 mil m² se dividem em salas de aula e dormitórios, quadra esportiva e instalações rurais. O dinheiro foi liberado pelo Programa Integrado de Desenvolvimento e Inclusão Socioeconômica do Estado de Rondônia (Pidise).

AVIÁRIO, CURRAL E POCILGA

“Adaptamos o curral com tronco e fosso, que tanto serve para o gado de corte quanto para o gado leiteiro. As instalações rurais [aviário, aprisco [para ovinos], curral e pocilga] têm extensão de 3,34 mil m², e com as ampliações já temos área construída de 9,6 mil m²”, informou a diretora.

Dezoito cabeças de vacas girolanda começaram a produzir, algumas vacas pariram, e a média diária de 70 litros de leite poderá ser brevemente aumentada. Segundo a diretora, há possibilidade de se comercializar o excedente a partir do primeiro semestre deste ano.

Em 12 baias, as atividades não se resumem apenas à paridura das vacas. Ali, professores e alunos se dedicarão à melhoria genética animal e organizarão o abate.

Em dez baias e em sistema semi-aberto, o instituto criará carneiros da raça Santa Inês, muito comum na região nordeste brasileira, resultante do cruzamento intercorrente das raças Bergamacia, Morada Nova, Somalis e outros ovinos sem raça definida.

Até o início do segundo semestre de 2016, o plano de negócios está centrado na produção de frangos de corte semi-caipira e caipirão. Para atender o aviário e a pocilga, a direção do instituto está adquirindo bebedouros, comedouros, silos, e na sequência irá adquirir matrizes.

Indicadores de êxito na atividade avícola animam o instituto. Em maio de 2015, em palestra na feira “Rondônia Rural Show”, o engenheiro químico Mário Blacht (Instituto Globoaves) anunciava que a Amazônia Ocidental Brasileira tem condições de criar o melhor frango e a melhor galinha caipiras. Ele atribui essa vantagem à luz do sol, que é forte na região, proporcionando “situação bem mais confortável do que no sul do País, em se tratando do desenvolvimento animal”.

DESCONTOS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO

Em dezembro de 2015, o instituto firmou convênio com a Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal (Facimed), pelo qual concederá descontos especiais nas mensalidades dos cursos de graduação a estudantes concluintes do curso técnico em agroecologia.

“Já temos laboratório e ainda este ano devemos ganhar o laboratório de solo”, prevê a diretora Eliane Faria. Recursos para esse fim deverão ser obtidos em Brasília pelo deputado federal Luiz Cláudio Pereira Alves.

Será de 40% o desconto no vestibular da Facimed, para os cursos de graduação com alunos de administração, arquitetura e urbanismo, biologia, ciências contábeis, educação física, enfermagem, engenharia elétrica, farmácia, fisioterapia, medicina, medicina veterinária, odontologia e psicologia.


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Ésio Mendes
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Agricultura, Agropecuária, Água, Assistência Social, Convênios, Distritos, Economia, Educação, Empresas, Governo, Indústria, Infraestrutura, Legislação, Meio Ambiente, Obras, Piscicultura, Previdência, Rondônia, Saneamento, Saúde, Serviço, Servidores, Sociedade, Solidariedade, Tecnologia, Transporte


Compartilhe