Governo de Rondônia
Domingo, 16 de maio de 2021

SISTEMA PRISIONAL

Instituto italiano apóia reeducandos em Porto Velho

28 de janeiro de 2015 | Governo do Estado de Rondônia

acuda

Acuda: apoio italiano para reeducandos

Pesquisadores italianos do instituto Claudio Naranjo vieram a Rondônia conhecer e documentar ações e resultados dos trabalhos desenvolvidos pela Associação Cultural e de Desenvolvimento do Apenado e Egresso (Acuda) com reeducandos do sistema penitenciário.

O material produzido pela equipe de documentação que acompanha os terapeutas será apresentado em novembro durante simpósio de psicologia em Roma. Segundo o coordenador geral da Acuda, Rogério Riva, a associação iniciou as atividades em 1998, com a oficina de teatro do Marcelo Fellicci, e em 1999 estreou o primeiro espetáculo denominado Bizarrus.

Para formar o elenco houve uma preparação com dinâmicas psicológicas e terapias alternativas que auxiliaram na resolução de traumas, motivando mudanças no comportamento dos reeducandos. Foi o momento em que se percebeu que esses benefícios poderiam ser ampliados. O grupo teatral Sem Nexo Complexo, responsável pela montagem da peça originou a Acuda em 2011. Nessa época cerca de 30 apenados integravam o projeto.

Até 2004 eles utilizavam as dependências físicas do Sest/Senat, porém, dificuldades de logística de transporte ameaçavam inviabilizar a continuidade do projeto. Em 2005 a Acuda ganhou sede própria. A primeira turma nesta nova fase contava com 17 reeducandos e ao longo dos anos foi ofertado um numero crescente de oficinas e consequentemente mais vagas.

Cuidado terapêutico espiritual

A Acuda oferece atualmente cerca de cem vagas divididas em duas vertentes. A primeira é a laboterapia, que faz com que o egresso tome apreço pelo trabalho, explica Rogério. Para esse segmento temos oficinas de marcenaria, tapeçaria (tear), cerâmica, esculturas, pintura, hortifrutigranjeiros, viveiro de plantas e oficina de motos.

Agregando valores, outra linha de trabalho adotada pela Acuda é o cuidado terapêutico e espiritual, com abordagens psicológicas, entre as quais, constelação familiar, Gestalt, reiki, biodança, massagem ayurvédica, psicoterapia individual ou em grupo e atendimento odontológico, todas atividades desenvolvidas por profissionais voluntários.

A cada sexta feira a atividade religiosa ocupa um horário: palestras espíritas e de saúde, celebração de missas e cultos evangélicos. Entre ações sociais diversas,  o projeto distribui um sopão para presos do Aruana, internas do presidio feminino e moradores de rua.

Segundo a terapeuta Euza Beloti, a Acuda compreende que “bandido bom não é bandido morto, é homem recuperado”. “Levamos a consciência para saber escolher, ter condições de tomar as decisões que serão melhores, pois aprendendo a amar a si, os reeducandos amarão a natureza e as pessoas, não prejudicando ninguém”.

Nesta linha de pensamento, ela destaca  que cada preso recuperado não é um homem recuperado apenas, é um lar que terá provedor, filhos que terão pais, vitimas que deixam de existir. A principal diferença apontada em relação às outras instituições é que na Acuda não se ensina somente trabalhos manuais, mas também um trabalho de autoconhecimento, de auto-transformação.

Tendo como pilar central os ensinamentos de Claudio Naranjo, a entidade repassa instruções a respeito da plenitude do amor. “Este projeto é único. Eu já desenvolvi trabalhos em outros presídios  e esta metodologia é algo sensacional”, afirma Sonia Zangarini, italiana terapeuta também integrante do instituto.

Para o coordenador da Escola de Terapia Gestalt, Antônio Ferrara, parece surreal o que se vê na Acuda. “Confesso que jamais imaginei um ambiente prisional onde encontraria internos chegando, cumprimentando de maneira tão amorosa. Ver o reeducando rezar a Ave Maria antes de iniciar os trabalhos é algo muito emocionante”, ele comenta.

Por trabalhar com pessoas, Ferrara acredita no potencial de cada um,  por isso crê que os reeducando podem sim ser transformados em pessoas ainda melhores. “Estou muito encantado, pois jamais imaginava ver tantos presos reunidos de forma pacifica, sem rebelião e sem trazer nenhum tipo de dano”, observou o coordenador do grupo, Vanderlei Garcia.


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Romeu Noé
Fotos: Pastoral Carcerária de Porto Velho
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Assistência Social, Convênios, Cursos, Educação, Governo, Inclusão Social, Justiça, Polícia, Rondônia, Segurança, Sociedade, Solidariedade


Compartilhe