Governo de Rondônia
Sexta, 21 de fevereiro de 2020

DIA DE CAMPO

Jovens e pioneiros trocam experiências sobre a cafeicultura

04 de abril de 2014 | Governo do Estado de Rondônia

8 - nivaldo cafeeiroUm encontro de várias gerações. O pioneirismo e o futuro da cafeicultura de Rondônia estiveram juntos, nesta sexta-feira (4), em Cacoal, durante a realização do dia de campo, na propriedade do agricultor Nivaldo Ferreira D’Laerthe, na linha da Figueira, zona rural da “Capital do Café de Rondônia”.

De um lado, pioneiros como o cafeicultor André Moreira Nunes, 81 anos, que plantou os primeiros pés de café de Rondônia, na região do Castanhal, em fevereiro de 1966 – há quase 50 anos, quando Cacoal ainda não era nem “projeto” de município.

De outro, centenas de estudantes adolescentes, de instituições de ensino agrícola como o Instituto Federal de Educação (Ifro); Escola Família Agrícola (Efa); e o Instituto Abaitará. Jovens que sonham, um dia, serem profissionais do campo e fazer da atividade rural um meio de continuar aquilo que os pais, agricultores e pioneiros rondonienses construíram nos últimos vinte, trinta anos.

Estímulo8 - padovani fala

“O papel do Estado é incentivar as futuras gerações, trazer tecnologia, garantir o aprendizado técnico, dar todas as condições para que esses jovens transformem a propriedade rural numa empresa familiar, capaz de dar sustentação financeira, e assim inverter o caminho do êxodo rural”, explica o secretário Evandro Padovani, da Seagri.

“É uma oportunidade única para estes jovens e também para os produtores rurais, para obterem acesso a novas tecnologias, que estão possibilitando ampliar a produção, por hectare, que era de cerca de 12 sacas, para mais de 100 sacas de café”, diz. “É melhor, mais rentável, cuidar direito de um ou dois hectares, do que deixar dez ou quinze hectares sem nenhum cuidado”, explica.

8 - glaucione padovani capixabaO Governo do Estado, por meio de instituições como a própria Seagri, além da Emater, Idaron, Ceplac, Embrapa e Prefeitura de Cacoal, se uniram a bancos de crédito rural, empresas e indústrias representativas do agronegócio de Rondônia e do país para realizar este dia de campo. “Faço de público um agradecimento a todas as empresas e entidades que nos apoiam nessas atividades de campo”, diz o secretário.

Ainda pela manhã, estiveram presentes ao encontro o prefeito de Cacoal, Franco Vialetto, o deputado federal Nilton Capixaba e a deputada estadual Glaucione Rodrigues, além do secretário municipal de agricultura de Ministro Andreazza, Jadir Bravin, o “Ninão”.

 Mudas

 Em sua propriedade, Nivaldo Ferreira D’Laerthe vive há mais de vinte anos da cafeicultura. “Meu pai era cafeicultor, aprendi com ele”, diz. Viveirista, Nivaldo produziu 420 mil mudas de café no ano passado. Em 2014, espera atingir uma produção de um milhão de mudas.

Com apenas um alqueire de café plantado, o produtor obteve uma produção de 150 sacas por hectare. Ele mesmo desenvolveu suas mudas. “Fui aprimorando, aqui mesmo, de acordo com as condições de clima e solo daqui de Rondônia”, lembra. “Com o governo incentivando, fica tudo mais fácil”, diz.

Com passos curtos, parando de quando em vez para descansar, sob o forte sol de Cacoal, o agricultor octogenário André Moreira Nunes relembra o início de sua caminhada, em solo rondoniense, ainda na década de 60. “Fugi da geada no Paraná, trouxe a família, disse que podia esquecer qualquer coisa, menos as sementes de café”, recorda. De suas mãos, foram plantados os primeiros pés de café de Cacoal.

Aprendizado

 8 - vice diretora abaitaráPara a vice-diretora do Instituto Abaitará, Lucilene Gonçalves, o apoio do Governo do Estado tem sido fundamental no desenvolvimento do ensino agrícola. “Eventos como este dia de campo motivam nossos jovens alunos, aqui eles recebem noções técnicas de grandes especialistas e aprendem a gostar da atividade”, afirma.

“O Instituto Abaitará tem recebido todo apoio do governador Confúcio Moura. Ele faz questão de estimular também os alunos das outras instituições, como a Escola Fazenda Agrícola e até mesmo o Ifro, que é beneficiado com atividades como esta de hoje”, diz.

Jovens estudantes do Ifro concordam quando o assunto é aprender uma nova profissão. É o caso dos estudantes Beatriz, João Pedro, Felipe e Caio. “Somos moradores da cidade, mas hoje estamos aprendendo sobre as coisas do campo”, diz Beatriz. “Quero ser médico veterinário, trabalhar na fazenda”, diz João Pedro. Com idades entre 14 e 15 anos, são alunos que começam a sentir, na prática, um gostinho especial para fazer o caminho inverso, da cidade para o campo.

Crédito

Os jovens também podem ser beneficiados através da concessão simplificada de crédito para aquisição de terras com finalidade de produzir alimentos. “Desde que emancipados legalmente, os jovens a partir dos 16 anos de idade podem se habilitar ao crédito fundiário do governo federal, em condições bastante especiais”, diz o secretário Padovani.7 - alunos dia de campo

O próprio governo do estado também concede subsídios para a compra de tratores e equipamentos agrícolas, através do Fundo Estadual de Desenvolvimento da Agricultura Familiar (Fedaf), pagando os juros dos empréstimos até o valor de R$ 50 mil. Outra opção do governo do estado à disposição do agricultor é o microcrédito do Banco do Povo de Rondônia.

As instituições de fomento ao crédito agrícola também possuem linhas exclusivas para o produtor rural. “No Banco do Brasil, podemos atender o grande produtor, com linhas de crédito como o PCA – Programa de Construção de Armazéns”, lembra o gerente geral da agência do BB de Cacoal, Paulo Wagner Damacena. Para os cafeicultores, uma opção é o crédito rural do BB, com juros de 3,5% ao ano.


Fonte
Texto: Sandro B. André - Assessoria Seagri
Fotos: Sandro B.André
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Agricultura, Economia, Educação, Governo, Rondônia


Compartilhe