Governo de Rondônia
Terça, 18 de junho de 2019

Lâmina de água ameaça tráfego na BR 364

19 de março de 2014 | Governo do Estado de Rondônia

A Coordenação Estadual da Defesa Civil admitiu ontem que o tráfego de veículos pela BR-364 poderá ser totalmente inviabilizado em razão da lâmina de água sobre a pista, no distrito de Jacy Paraná, que alcançou ontem a marca de 1,13 metros. Segundo o oficial de Comunicação do Corpo de Bombeiros, tenente coronel Demargli Farias, a rodovia será interditada se o nível chegar a 1,50 metros e, nesta circunstância, o transporte de suprimentos para o estado do Acre seria totalmente suspenso. O problema é causado pela enchente do rio Madeira, que é a mais intensa já registrada.

9 - Lamina dagua Jacy Esio Mendes_1024x683

Atualmente, cerca de 60 caminhões com alimentos e medicamentos passam pela BR-364 em direção ao  Acre, mas o trânsito é feito sob muitos riscos, porque há pontos em que a pista está encoberta pelas águas e não há sinalização indicando o caminho mais seguro. Para garantir que o estado não fique sem provisões, autoridades acreanas comunicaram à Defesa Civil de Rondônia que poderão enviar equipes para guiar os caminhoneiros no trajeto.

Guajará-Mirim

A enchente, que ontem registrou nível de 19,24 metros, desabrigou sete famílias no município de Guajará-Mirim, que até agora tinha apenas inundações, casas avariadas e 150 estivadores desempregados. Segundo o Corpo de Bombeiros do município, há, ainda, 398 famílias desalojadas, o que significa que tiveram que sair de suas casas, mas não estão em alojamentos oficiais.

No município de Nova Mamoré, o Exército retirou 15 famílias das residências, que foram inundadas. Outras 41 famílias estão desalojadas. As pessoas impactadas pela enchente estão recebendo cestas básicas, água potável, medicamentos e material de higiene.

Capital

9 - parque dos tanques_1024x683

Em Porto Velho, onde a enchente desabrigou 870 famílias e desalojou outras 1.744, seguem em ritmo acelerado as obras de estruturação do Parque dos Tanques, para onde devem ser remanejadas as famílias que estão nos abrigos providenciados pela Defesa Civil.  Nesta quinta-feira,19, ficaram prontas as instalações das caixas d’água. Os banheiros químicos, que deverão ser diferenciados para adultos, crianças e pessoas portadoras de deficiências, também estão sendo montados.

“O deslocamento das famílias desabrigadas para o Parque dos Tanques será benéfico, pois cada uma terá uma barraca. Elas serão favorecidas no atendimento com segurança e saúde, que estão concentrados num só espaço”, avalia o tenente coronel Farias.

Na capital, as instalações da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, localizada no bairro Areal, tem o maior contingente de pessoas, cujas casas foram inundadas. Lá estão 67 famílias, que tem acompanhamento direto de equipes para que o acolhimento seja o melhor possível.

As famílias que estão nos abrigos recebem atendimento no Navio Hospital da Marinha, que está ancorado no porto organizado da capital. Diariamente, equipes realizam triagem para conhecer as demandas e providenciar o transporte para que os doentes cheguem até o navio.

Sem mortes

Até o momento não foi registrada nenhuma morte em decorrência da enchente do rio Madeira, detalhe que foi elogiado pelo ministro da Integração Nacional, Francisco Teixeira, e pela presidenta Dilma Rousseff, na recente viagem que fizeram a Porto Velho.


Fonte
Texto: Nonato Cruz
Fotos: Ésio Mendes e Marcos Freire
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Brasil, Governo, Meio Ambiente, Rondônia, Saúde, Segurança, Sociedade


Compartilhe