Governo de Rondônia
Quinta, 25 de abril de 2019

COMBATE

Agevisa alerta contra o abandono no tratamento da Tuberculose em Rondônia

19 de março de 2019 | Governo do Estado de Rondônia

A doença muitas vezes é confundida com os sintomas da gripe

Para melhorar os indicadores de casos de tuberculose em Rondônia, campanhas de combate à doença devem ocorrer nos 52 municípios do Estado, entre os dias 20 a 26 de março. Com foco na redução do abandono ao tratamento da doença, a Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) preconiza o tratamento dos doentes, redução do abandono e importância da vigilância dos contatos próximos ao paciente.

Como estratégia para conclusão do tratamento e cura, o Tratamento Diretamente Observado (TDO) pode ser realizado em todas as unidades de saúde, por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem ou agente comunitário de saúde, que devem observar e administrar o medicamento acompanhando o paciente todos os dias ou três dias na semana, evitando a entrega da medicação para ser utilizada em casa. Sem o tratamento a transmissão acontece de forma latente.

A Agevisa atualiza o protocolo que deve ser seguido pelos municípios e orienta a execução da vigilância nas unidades para que, além do tratamento dos doentes, a preocupação seja também com a realização de exames dos contatos, onde há transmissão das doenças às pessoas mais próximas aos pacientes infectados. O Ministério da Saúde está implantando um protocolo da vigilância de infecção latente com capacitação para os profissionais de saúde de todo o Estado. O objetivo é descobrir quem está doente e quem está infectado, haja vista a diferença no tratamento. A pessoa infectada não apresenta nenhum sintoma, mas por meio do exame é confirmada a prova tuberculínica positiva. O tratamento da Infecção Latente por Tuberculose (ILB) é feito com uma medicação que deve ser administrada no mesmo período em que a pessoa é diagnosticada com a tuberculose, prevenindo que ela adoeça.

“Muitas vezes o paciente está doente, achando que é uma gripe, começa a tomar xarope e chá, vai ao pronto atendimento e é receitado medicamento padrão para amenizar os sintomas porque não foi descoberto. O caminho é, na presença de tosse por mais de três semanas, procurar uma unidade de saúde. Dizer que está com tosse frequente e demais sintomas, e realizar o exame de escarro, que será encaminhado ao laboratório. A presença de tosse é uma suspeita de tuberculose pulmonar”, explicou a coordenadora Nilda de Oliveira Barros, enfermeira especialista em pneumologia sanitária, da Coordenação Estadual de Controle da Tuberculose.

 

 “A população tem que saber que existe a tuberculose e ela está muito presente. Temos notificados no Estado de Rondônia a base de 700 casos por ano”, informou Nilda.

 

Agevisa orienta municípios para campanhas de conscientização à comunidade

Com acesso aos indicadores do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), a Agevisa observou o registro de pessoas que se tornaram resistentes ao esquema de tratamento, considerado o melhor do mundo, por meio do abandono.

Em 2017, 16,3% dos pacientes de tuberculose abandonaram o tratamento, dado considerado alto em relação ao que é preconizado pelo Ministério da Saúde com a taxa de cura de 85% e abandono de no máximo 5%. Os casos de óbito são relacionados aos pacientes que abandonaram o tratamento e aqueles que tiveram o diagnóstico tardio. Com isso, a conscientização dos sintomas, como a tosse por mais de três semanas é de suma importância.

Em comemoração ao dia 24 de março, que é o Dia Mundial de Combate à Tuberculose, O Governo do Estado, por meio da Agevisa, orienta a realização de campanhas nos municípios, com palestras em parcerias com instituições prisionais, faculdades e divulgação nos canais de comunicação e em todas as unidades de saúde, conscientizando a comunidade sobre os principais sinais e sintomas da doença.

TRANSMISSÃO, SINAIS E SINTOMAS

Transmitida por via aérea, a bactéria se instala no pulmão. Em algumas pessoas, a imunidade faz encapsular a bactéria e não desenvolve a doença, em outras pessoas a doença é manifestada para outros órgãos. O tipo mais comum é de tubérculo no pulmão, mas pode ocorrer no fígado, rins, ossos e olhos, onde o diagnóstico é mais difícil de ser definido.

Inicialmente a tosse pode ser seca e com alguns dias a tosse se torna produtiva, com catarro, há perda de peso, febrícula que não ultrapassa 38 graus e, geralmente, ocorre o febril no final da tarde, há moleza e dispneia (falta de ar) e, em casos mais avançados, há presença de sangue no catarro e fraqueza, podendo levar a óbito com a ausência do tratamento.

O tratamento padronizado é gratuito por seis meses em todas as unidades de saúde, onde o paciente passa por uma avaliação médica mensalmente para situação clínica.

LEIA MAIS:

 Qualquer objeto que acumula água pode se tornar um criadouro do Aedes Aegypti, alerta da Agevisa para o carnaval

 Agevisa orienta sobre os cuidados que a população deve ter no controle de pragas urbanas

 Agevisa orienta para uso de novo método de prevenção ao HIV

 Agevisa alerta sobre cuidados para evitar criadouros do mosquito da Dengue no período chuvoso


Fonte
Texto: Gaia Bentes
Fotos: Jeferson Mota
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Brasil, Governo, Informativo, Rondônia, Saúde, Serviço, Sociedade


Compartilhe