Governo de Rondônia
Domingo, 09 de maio de 2021

SAÚDE DO TRABALHADOR

Médico relata em livro 13 anos de história e desafios da medicina do trabalho em Porto Velho

25 de abril de 2017 | Governo do Estado de Rondônia

Brucelose humana, mercúrio, radiação ionizante, intoxicações por inseticidas, saúde vocal, transtornos mentais e outros agravos. Estas são as principais linhas de pesquisas relativas à prevenção, vigilância e assistência à saúde que fazem parte do livro Coletânea em Saúde do Trabalhador, de autoria do médico Heinz Roland Jacob, cujo lançamento ocorrerá na próxima sexta-feira (28), na Casa de Cultura Ivan Marrocos, em Porto Velho.

Servidor da saúde aplica inseticida, atividade catalogada entre as de risco à saúde

Servidor da saúde aplica inseticida, atividade catalogada entre as de risco à saúde

A obra com 19 capítulos é publicada 13 anos depois do início do funcionamento da Saúde do Trabalhador em Rondônia. Nela, o autor agrega diversos trabalhos científicos, dos quais participaram profissionais desta área.

“Todos eles dedicados a superar desafios, sempre em busca do conhecimento dos principais componentes das relações entre as doenças e as ocupações”, disse o médico, que trabalha na Policlínica Oswaldo Cruz.

Até pouco tempo, ações de vigilância em saúde do trabalhador em atividade laboral eram desconhecidas em Rondônia, a exemplo da situação de varredores de carreta de soja que trafegam na BR-364.

Para Jacob, o livro auxilia na definição do perfil de morbimortalidade dos trabalhadores e na orientação do planejamento, execução e avaliação das ações no âmbito da prestação de serviços de promoção, proteção, segurança e recuperação da saúde.

No anexo I do livro, Jacob homenageia ceresteiros (com C), modo com o qual se refere aos servidores especialistas do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (Sesau); e também os profissionais da Agência Estadual em Vigilância Sanitária (Agevisa), especialmente em Cacoal, Porto Velho e Vilhena.

“Lá estão os nomes de todos os que atuaram nesta área em Rondônia”, disse o médico.

Já o anexo IV mostra o glossário em Saúde do Trabalhador.

A coletânea visa também possibilitar a caracterização das relações entre as doenças e ocupações, “indispensável para promover a qualidade, a capacidade resolutiva e a integralidade das ações e dos serviços dirigidos à população trabalhadora”.

Trabalhos científicos publicados na seção III descrevem a exposição a riscos e agravos à saúde dos trabalhadores. O capítulo 8 menciona a situação daqueles expostos à radiação ionizante em Porto Velho, em 2007;  capítulo 9 descreve a saúde vocal do professor; o 10, o mercúrio e os riscos para a saúde do cirurgião dentista; o 11, a intoxicação pelos inseticidas organoclorados [Diclorodifeniltricoloroetano, o DDT]; o 12, a brucelose humana como uma endemia emergente.

O capítulo 16 traz pela primeira vez o Mapa de Risco Ocupacional no Estado de Rondônia, baseado em tecnologia de georreferenciamento; o capítulo 18 explicações da telemedicina na saúde do trabalhador; enquanto o capítulo 21 analisa impactos na saúde dos trabalhadores das Usinas Hidrelétricas Santo Antônio e Jirau, no rio Madeira.

Leia mais:
Relatório revela 288 casos de intoxicação externa e de graves acidentes de trabalho
Trabalhar sim, adoecer não é o lema das ações em defesa da saúde do trabalhador rondoniense

 


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Secom
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Rondônia, Saúde


Compartilhe