Governo de Rondônia
Sábado, 20 de julho de 2019

ESPECIAL MULHER

Mulheres do campo são referências no desenvolvimento do agronegócio, piscicultura e artesanato de Rondônia

08 de março de 2019 | Governo do Estado de Rondônia

Lídia descobriu a habilidade com as plantas após comprar uma flor para si mesma.

 

Elas são esposas, filhas, mães, avós, amigas, empreendedoras e suas virtudes são formadas com força de vontade, organização e carisma, as mulheres do campo sentem-se realizadas com a vida rural e não perdem a oportunidade de arregaçar as mangas e conquistar seu espaço no cenário do agronegócio. As produtoras rurais, Lídia, Maria Isabel e Rosicleia são três guerreiras moradoras das margens do rio e reassentamentos de Rondônia. Com suas famílias desenvolvem trabalhos com a pesca, viveiros, hortaliças, artesanatos e abates de animais, onde a produção é comercializada nas feiras das cidades e em eventos para produtores rurais do Estado.

Lídia Oliveira Varini tem 44 anos e mora com o marido no reassentamento São Domingos, cerca de 24 quilômetros após a ponte, sentido Humaitá (AM). Especialista no cultivo da flor Rosa do Deserto, sua rotina é de cuidado com as plantas no viveiro, que cultiva há três anos. “Acordo cedo e não paro mais. Cuido das plantas, das flores, dos peixes, da limpeza do lote e das verduras”.

O empreendimento iniciou com uma demonstração de amor sutil quando comprou uma flor para si mesma e descobriu a possibilidade de polinizar e produzir sementes, desenvolvendo assim uma plantação com cerca de 1,2 mil mudas em giro, conforme a venda. Com a criação de tambaquis em cativeiro, Lídia e o marido, que ama agronomia, decidiram largar a vida urbana para viver na área rural. Com o despertamento para as plantas, a produtora se aperfeiçoa com pesquisas na internet e cursos especializados.

Admirada com a vida rural, Maria saiu da cidade para produzir no sítio.

Maria Izabel, com 43 anos é agricultora no reassentamento Riacho Azul, onde mora com o esposo e um dos dois filhos. Cultiva macaxeira (mandioca pra farinha) e possui tanque de peixes e criação de galinha caipira, pato, porco e gado.  Vovó há pouco mais de um mês, Maria começou a trabalhar com a pesca e envolvida com admiração pelo ofício, se desenvolveu na agricultura e decidiu fazer seu lar na área rural, acreditando que o neto crescerá em meios aos animais no sítio.

Sua rotina começa quando o galo canta. Maria toma seu café de manhã e segue para os afazeres com a alimentação dos animais, limpeza do pinteiro de aves, colheita dos ovos da chocadeira, dentre tantas funções que administra em seu sítio, para vender os produtos com a ajuda de amigas nas feiras populares de Porto Velho, onde também vende lanches. “Acho que eu vivo sossegada e se eu não estivesse lá, meu marido não levava adiante”, disse Maria, que conhece cada pedacinho da propriedade e faz a produção acontecer.

A artesã, piscicultora e agricultora Rosicleia Batista de 39 anos mora com o esposo e quatro filhos na agrovila Novo Engenho, localizada na margem esquerda do Rio Madeira em frente ao Porto Cai N’água, na capital. Aprendeu a pescar com o marido, com quem saiu da cidade e foi morar no sítio, onde teve a vida transformada por completo. Rose, como é conhecida pelos clientes e amigos feirantes, trabalha unida com a família na pesca e, no período do defeso (atividades de caça, coleta e pesca ficam vetadas ou controladas), desenvolve seu talento também com o artesanato. Empreendendo junto à cunhada, a produção de artesanato é constante durante quatro meses no ano. Nesse período, a mulher guerreira e de coração bom, como a descrevem, perde o sono e até nas madrugadas a criatividade não tem limite.

Rosicleia (à esquerda) e a cunhada trabalham juntas nas feiras de exposição do Estado.

Rose fez um curso de artesanato há seis anos, promovido pela Santo Antônio Energia e Emater, e aperfeiçoa seu trabalho buscando referências na internet, inovando para agradar os clientes. “Me adaptei bem e aumentou minha renda, ajudando muito em casa. Não consigo ficar parada, sempre estou buscando coisas novas. Não é uma vida difícil”, afirmou a agricultora que costumava ficar horas observando o manejo com os peixes e hoje não consegue viver sem a pesca e o artesanato, reconhecendo-se como uma mulher realizada. “Eu me sinto feliz ajudando as pessoas”. Com um projeto pessoal, Rose tem o objetivo de ir ao baixo madeira ensinar artesanato às mulheres, de forma solidária, com o propósito de proporcionar uma opção de renda para as ribeirinhas.

As três mulheres do campo são participantes assíduas dos eventos de agronegócio do Estado de Rondônia e das feiras de exposição promovidas pela Emater, mediadora do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), que prevê a compra de alimentos produzidos pelos agricultores e entrega para as escolas.

LEIA MAIS:

 Secretaria de Educação com programação especial para comemorar o Dia Internacional da Mulher

 Intervenção presta homenagem a mulheres que contribuíram com o desenvolvimento da Tecnologia Informática e Informação do Estado

 Governo busca otimização da compra da merenda escolar por meio de chamada pública

 Emater recebe novos computadores para atender a agricultura familiar

 Prazo de Validade da Declaração de Aptidão ao Programa Nacional da Agricultura Familiar foi ampliado para dois anos

 Reunião discute participação de artesãos rondonienses na Rondônia Rural Show

 Extensionista da Emater-RO é homenageada pela contribuição aos direitos e defesa da mulher


Fonte
Texto: Gaia Bentes
Fotos: Frank Néry
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Agricultura, Ecologia, Governo, Inclusão Social, Meio Ambiente, Piscicultura, Rondônia, Rondônia Rural Show


Compartilhe