Governo de Rondônia
Quarta, 19 de junho de 2019

SAÚDE

“Não relaxem”, alerta diretora da Agevisa sobre a redução de 80% das doenças causadas pelo Aedes aegypti em Rondônia

23 de fevereiro de 2018 | Governo do Estado de Rondônia

Infraestrutura de apoio aos municípios: 15 veículos e bombas UBV para socorro imediato

A Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) constatou redução de 80% no número de casos de dengue, zika vírus e chikungunya em Rondônia. “É algo relevante, porque passamos janeiro, mês considerado o de maiores picos do Aedes aegypti [mosquito transmissor], e o período crítico ficou para trás”, afirmou a diretora Arlete Baldez.

A Agevisa recomenda cuidado máximo, mesmo com a redução do número de casos confirmados, que caíram de 720 para 47 no período de 1º de janeiro à primeira semana de fevereiro, em relação ao ano passado.

“A orientação virou mantra, e nós repetimos isso constantemente aos municípios”, assinalou a diretora. “Não relaxem, evitem deixar recipientes com água, porque eles são potenciais criadouros desse mosquito que se reproduz em ciclo de sete dias”, emendou.

A Coordenação Estadual de Controle de Doenças Transmitidas pelo Aedes aegypti recomenda faxinas semanais em casas, quintais e terrenos. Criadouros devem ser removidos.

Este é o comparativo do período de 1º de janeiro à primeira semana de fevereiro: no ano passado ocorreram 2.127 casos notificados, dos quais, 720 confirmados; este ano, dos 293, apenas 47 se confirmaram.

A diretora ressalvou que a Coordenação Estadual aguarda resultados de novos exames no Laboratório Central.

Buritis [32,3 mil habitantes], a 237 quilômetros de Porto Velho, por rodovia, apresentou-se o mais problemático em 2017. No Levantamento do Índice Rápido de Aedes aegypti [LIRAa], o município estava acima de 10%.

A dengue não é transmissível quando o índice está abaixo de 1%, entretanto, acima de 4% oferece risco de epidemia e surto. Segundo Arlete Baldez, Buritis tinha grande probabilidade disso, mas conseguiu conter o número de casos e ficou na faixa dos 3% de LIRAa.

A continuidade da inspeção é a receita mais eficaz para este e outros municípios que tiverem decretados estados de alerta ou risco. “Felizmente, hoje, nenhum município de Rondônia se encontra em situação epidêmica”, salientou a diretora.

UBV À DISPOSIÇÃO

Municípios que por acaso tiverem índice acima de 4% têm como pedir socorro à coordenação estadual.

Se ocorrer o pior, 15 veículos da central de UBV [aspersão a ultra baixo volume] estão prontos para apoiar o município afetado. O estado tem estoque disponível de inseticida.

“A equipe técnica avalia, a coordenação estadual autoriza, e o atendimento é imediato”, garantiu.

A coordenadoria estadual capacitou um supervisor da dengue em cada regional de saúde. Ele dispõe de veículo, notebook, diárias e combustível para eventuais deslocamentos parta monitoramento in loco.

“A equipe dá assessoramento à equipe técnica local, desconcentrando dessa maneira o trabalho geral, e o resultado se torna ainda melhor com o envio de informações periódicas à Agevisa”, explicou a diretora.

Leia mais:
Mais uma vez pesquisa aponta que lixo doméstico é o principal criadouro do mosquito da dengue
Centro de Pesquisa em Medicina Tropical recruta crianças para terceira fase de testes da vacina contra a dengue em Porto Velho
Agevisa orienta população para evitar criadouros do Aedes Aegypti no período chuvoso em Rondônia


Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Paulo Sérgio e CBM-RO
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Governo, Informativo, Meio Ambiente, Municípios, Rondônia, Saúde, Sociedade


Compartilhe