Governo de Rondônia
Segunda, 17 de maio de 2021

SAÚDE PÚBLICA

Obesidade em Rondônia leva 1,2 mil pessoas por mês à Policlínica Oswaldo Cruz, em Porto Velho

29 de novembro de 2016 | Governo do Estado de Rondônia

jose-vidal-ramires-31-10-2016-fotos-de-esio-mendes-9

Taxista Vidal teve depressão, retomou o tratamento e se candidatou à cirurgia bariátrica

A obesidade movimenta diariamente a Policlínica Oswaldo Cruz, em Porto Velho, onde são atendidos, mensalmente, 150 pacientes, apenas na parte médica, mas o fator de risco para uma série de doenças dela decorrentes ultrapassa os 1,2 mil pessoas.

Na equipe multidisciplinar da POC trabalham um enfermeiro, um médico, uma nutricionista e um psicólogo. Por suas mãos já passaram até agora 1,5 mil pessoas cadastradas.

“Rondônia segue a tendência nacional. Segundo a Sociedade Brasileira de Obesidade [SBO], 55% de mulheres têm problemas e procuram tratamento, enquanto o percentual de homens é de 45%”, disse o médico endocrinologista, Orlando Leite de Carvalho.

O Brasil tem cerca de 18 milhões de pessoas consideradas obesas. Alguns levantamentos apontam que mais de 50% da população está acima do peso. Somando o total de indivíduos acima do peso, o montante chega a 70 milhões, o dobro de há três décadas.

José Vidal Ramires Calonga, 49 anos, casado, pai de cinco filhos, sul-mato-grossense de Três Lagoas, não pôde mais exercer a profissão de mecânico.

Dois anos atrás, passou a ser taxista em Nova Mamoré, a 280 quilômetros de Porto Velho. De 150 quilos, perdeu apenas oito, recentemente.

“Fiquei depressivo depois de perder meu pai e minha mãe. Não dormia direito, chupava latas de leite condensado e comia tudo o que tinha no fogão e na geladeira, até fora de hora”, relatou.

Assistido durante três meses por um médico da cidade, em 2014 perdeu mais de 30 quilos. Comia apenas folhas. O tratamento foi interrompido com a mudança do médico. Agora, além de obeso, tem erisipela na perna esquerda.

Seguidor da Igreja Assembleia de Deus, recebeu também apoio de um amigo de outra igreja, a Congregação Cristã no Brasil, em Tarilândia, distrito de Jaru. Assim foi encaminhado ao Programa de Obesidade, em Ariquemes, e de lá para a POC, na capital.

“Eu fiquei três meses com as pernas para cima, mas Deus é fiel e não desisti. Estou com a mente preparada, no regime e nos remédios certos, esperando a chance da cirurgia”, acrescentou.

SEDENTARISMO E ERRO ALIMENTAR

Qual a melhor medida para reduzir o problema? “Reduzir remédios receitados e se dispor a eliminar o sedentarismo e evitar o erro alimentar”, responde o médico Orlando Leite.

“A diminuição da qualidade de vida é atualmente o mais preocupante”, completa.

dr-orlando-31-10-2016-fotos-de-esio-mendes-3

Endocrinologista Orlando Leite diz como reduzir o problema

Segundo o endocrinologista, além de visitar o ambulatório, alguns pacientes são consultados por médicos de diferentes especialidades associadas à obesidade, como osteoarticulares, diabetes melitus, dislipidemia, hipertensão arterial, entre outras.

O fluxo de atendimento começa pelo encaminhamento de pacientes pelas unidades de saúde. Em seguida, eles passam aos cuidados de enfermeiras da obesidade para o protocolo de exames, e depois visitam o médico, que examina alterações no metabolismo, o psicólogo e a nutricionista.

Quem está com sobrepeso é adequado ao protocolo e encaminhado para o ambulatório de cirurgias bariátricas.

SITUAÇÃO PIORA

►Em 2025 o mundo terá 2,3 bilhões de adultos com sobrepeso e mais de 700 milhões, obesos.

► O sedentarismo aumenta com a idade. Entre homens com idade de 18 a 24 anos, 60,1% praticam exercícios. Esse percentual se reduz para menos da metade aos 65 anos (27,5%).

►Entre mulheres de 25 a 45 anos, 24,6% se exercitam regularmente. A proporção é de apenas 18,9% entre mulheres com mais de 65 anos.

SAIBA MAIS
Hospital de Base programa quatro cirurgias bariátricas semanais em Porto Velho, para reduzir fila até 2018


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Ésio Mendes
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Assistência Social, Governo, Rondônia, Saúde, Serviço, Servidores, Sociedade


Compartilhe