Governo de Rondônia
Sexta, 25 de junho de 2021

ENTENDIMENTO

Parecer do Tribunal de Contas de Rondônia vai definir se governo pode atender pedido de auxílio financeiro dos municípios 

16 de novembro de 2017 | Governo do Estado de Rondônia

Representantes das áreas econômica e jurídica do governo de Rondônia se reunirão, dia 27 de novembro, com auditores do Tribunal de Contas, deputados estaduais e prefeitos do interior na busca de um novo entendimento que possa atender a pauta de reivindicações de auxílio financeiro às prefeituras.

A data, acertada na reunião de terça-feira (14) no plenário da Assembleia Legislativa, foi proposta pela Associação Rondoniense dos Municípios (Arom), após o secretário-chefe da Casa Civil, Emeson Castro, explicar que cinco dias eram insuficientes para consultas e emissão de pareceres técnico-jurídicos sobre pontos considerados inconstitucionais da pauta de reivindicações entre aos parlamentares.

O documento relata a queda de receita própria e redução de repasses de convênios à maioria dos 52 municípios do Estado. Destaca a necessidade de mudanças na metodologia de repasses do fundo estadual e empenho do governo no “envio urgente” de um projeto de lei à Assembleia Legislativa para que os deputados aprovem mudanças na transferência de verbas emergenciais que ajudem os municípios a quitar os salários de dezembro e o 13º dos servidores.

O secretário-chefe da Casa Civil, Emerson Castro,  explicou que a Arom e integrantes da Mesa Diretora da ALE já haviam apresentado o documento ao governador Confúcio Moura, exceto nos pontos que ferem a Constituição como o remanejamento de recursos de fundos financeiros para pagamento de servidores, o governo se mantém receptivo em ajudar, além de realizar investimentos que já realiza nos municípios em outros setores por meio do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e outros órgãos na transferência de recursos para as áreas de saúde, educação e manutenção e conservação de estradas.

Os repasses para manutenção e conservação das estradas vicinais seguem critérios estabelecidos na lei que criou o Fundo de Infraestrutura para Transportes e Habitação (Fitah). Segundo Émerson Castro, a visão municipalista do governador antecipou, na prática, mudanças que resultarão em mais apoio aos municípios a partir do próximo ano.

MAIS APOIO

Em 2018, por exemplo, será realizada a atualização do quantitativo de estradas e da quilometragem de responsabilidade de cada um dos 52 municípios de Rondônia. Com a nova aferição haverá ajuste no repasse anual do (Fitha), recurso administrado pelo Departamento de Estradas de Rodagem, Infraestrutura e Serviços Públicos (DER) e repassado via convênios às prefeituras.

O novo levantamento será realizado em parceria entre a Arom, o Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), o DER e as prefeituras, por meio de um Termo de Cooperação Técnica já assinado na sede da entidade em Porto Velho.

Emerson Castro, secretário-chefe da Casa Civil

O governo reconhece a importância do apoio aos municípios dentro da “legalidade necessária”, segundo o secretário, pois são agentes do processo de desenvolvimento e crescimento econômico que colocou Rondônia em terceiro lugar no ranking nacional dos Estados que mantém o pagamento em dia dos servidores e dos fornecedores.

A equipe econômica do governo já estuda a revisão dos critérios para repasse de recursos aos municípios e, de acordo com Émerson Castro, na primeira reunião realizada no Palácio Rio Madeira para discussão da pauta, com a participação do presidente da Arom, Jurandir de Oliveira, do deputado Maurão de Carvalho e de outros parlamentares, o governador se mostrou receptivo em atender principalmente o item quatro do documento.

Ele disse que nenhum ponto da pauta pode ficar sem ser discutido com os órgãos jurídicos e os critérios técnicos de legalidade com o TCE, para que a parceria entre o governo, a ALE e as prefeituras possa caminhar, pois o governo não pode “responder” a medidas inconstitucionais.

O secretário admitiu a possibilidade do Tesouro Estadual poder usar os recursos do fundo estadual para ajudar os municípios. “Hoje parte dos recursos está destinado a projetos de incentivo ao leite, o café e para a erradicação da pobreza. Não há problema de ver isso, entretanto não é uma luta fácil”, disse.

Quanto ao item do transporte escolar, Castro ressaltou que em sete anos o governo aumentou de R$ 30 milhões para R$ 80 milhões os repasses para transportar alunos e que a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) está tentando simplificar a lista de documentos exigidos para assinatura dos convênios.

Fez um apelo para que as prefeituras sigam economizando e continuem a procurar fazer muito com pouco, conforme afirmou o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, uma vez que o atendimento da pauta não é fácil de ser alcançado, não por falta de ajuda governamental e sim de amparo constitucional, que “tentaremos resolver de alguma maneira juntos”.

Leia mais:

 Aferição da malha viária em Rondônia deve ajustar o repasse do Fitha para os municípios


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Abdoral Cardoso
Fotos: Ésio Mendes
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Economia


Compartilhe