Governo de Rondônia
Quinta, 16 de setembro de 2021

MEIO AMBIENTE

Porto Velho arde com focos de calor; queimadas em Rondônia estão perto de superar a marca de 2010

11 de agosto de 2015 | Governo do Estado de Rondônia

fogo br 425 guajara -fotos de ésio Mendes (1)

Perigo: fogo se alastra rumo à fiação elétrica, às margens da BR-425

Enquanto o município de Cacoal, a 500 quilômetros de Porto Velho, teve apenas dez incêndios, no mês de julho, no sábado (8), o Comando do Corpo de Bombeiros Militar de Rondônia (CBM-RO) recebeu 40 chamadas telefônicas, só da Capital, denunciando queimadas em diferentes bairros.

“Este ano o município aproxima-se dos números ruins de 2010, e pode até superá-los”, previu nessa segunda-feira (10), o coordenador do Comitê de Prevenção e Combate a Queimadas, o comandante do CBM-RO, coronel Sílvio Rodrigues.

A capital de Rondônia totalizou 477 focos de calor, até o final do mês de julho, e contabilizava 539, até o início desta semana.

Nos primeiros dez dias de agosto, o vertiginoso aumento das ocorrências [estimado em 600%] obrigou o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) a escalar 34 brigadistas em Porto Velho e 52 no Estado. As operações do órgão federal são feitas em parceria com a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Ambiental (Sedam).

Em um ano, o número de focos de calor em Rondônia quase dobrou: de 582 em 2014, ano de enchentes, para 1.217. O município de Porto Velho lidera em queimadas urbanas e rurais, seguido de Candeias do Jamari, com 178; e Nova Mamoré, com 167.

Para o coordenador, a situação piora a cada dia. “Esse agravamento demonstra que a grande maioria dos casos ocorridos em área urbana é intencional”, lamentou Rodrigues.

A fumaça já polui os céus nesta parte da Amazônia Ocidental. O Grupamento de Operações Aéreas (GOA) colocará seu avião Cessna 2010 à disposição das operações de reconhecimento de focos de queimadas e, eventualmente, transportar pessoas em extrema necessidade, na rota Porto Velho-Humaitá (AM).

EFEITO ESTUFA

“O governo de Rondônia está preocupado com a seca e atuará em todo o Estado, especialmente nos municípios onde houver maior índice de focos de calor do que no ano passado”, informou a coordenadora de Educação Ambiental da Sedam, Maria do Rosário Almeida da Silva.

Em campanha com o tema “Queimada, apague essa ideia!”, a Sedam advertirá a população para o perigo de Rondônia contribuir com o aumento dos problemas ambientais enfrentados pelo Brasil. “Emissões resultantes da queima de biomassa vegetal colocam o País entre os principais responsáveis pelo aumento dos gases de efeito estufa do planeta”, assinalou Maria do Rosário, acrescentando que a culpa não é do período seco, mas da população.

“O que vemos são pessoas querendo tocar fogo, sem medir consequências graves advindas dessa cultura, que é antiga. E só choverá em setembro”, complementou o superintendente adjunto do Ibama, Roberto Fernandes Abreu, advertindo para que as pessoas “parem de acender fósforo e isqueiro. Quem põe fogo pode matar”.

Relatórios elaborados pelo CBM-RO revelam: em vez de as pessoas contratarem limpadores de terrenos, preferem atear fogo no mato e nos entulhos. “As pessoas pouco se preocupam com crianças e idosos”, queixou-se o comandante Rodrigues.

Conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpe), em 2010 Rondônia totalizou 2.980 focos; em 2011 caiu para 1.636; em 2012 somaram 1.181; em 2013 reduziram para 582; e em 2015 já somam 1.217.

Respaldada pelo Comitê e pela Promotoria do Meio Ambiente do Ministério Público Estadual, a prefeitura Porto Velho pela primeira vez conseguiu unir o decreto de situação emergencial à contratação de bombeiros civis. “Eles atuarão como brigadistas”, confirmou o secretário municipal de Meio Ambiente, Edjales Benício.

A portaria nº 42 permitiu a contratação, o plantão de atendimento e a fiscalização passou a ser feita diariamente, das 8h às 20h. O Disque Queimadas 0800, que no ano passado recebeu apenas 160 chamadas, alcançou 304 até julho deste ano.

A prefeitura de Porto Velho também confirmou nessa segunda-feira as atividades da sala de situação climática e ambiental. Para socorrer a zona rural [o município tem 34 mil Km²], o CBM-RO escalará um sargento e dois soldados para fazer vistorias numa caminhonete.

APELO FINANCEIRO

O coronel Sílvio Rodrigues reiterou os valores de multas a quem atear fogo em terrenos baldios. Elas variam entre R$ 2.769 e R$ 5 mil, sujeitando o infrator à pena de prisão. “Quando falta conscientização, temos que apelar para os aspectos financeiros e econômicos, que doem no bolso”, justificou.

Ele ainda informou, que depois de reformado em Cuiabá (MT), está voltando para Porto Velho o caminhão autobomba tanque com capacidade para cinco  mil litros de água. O CBM-RO mantém agora escalas de trabalho do efetivo, de 24h por 48h (folga). O comando dispõe também de outro autobomba-tanque especificamente destinado a combater incêndios florestais.

Parceiro do Comitê de Prevenção, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) liberou um caminhão-pipa e uma retroescavadeira com prancha, para facilitar aceiros em áreas rurais. O Departamento de Patrimônio do CBM-RO oferecerá aos parceiros abafadores e bombas costais. Ainda neste mês, mais 86 bombeiros serão engajados no trabalho na Capital e no interior do Estado.


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Ésio Mendes e Daiane Mendonça
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Agricultura, Agropecuária, Água, Capacitação, Convênios, Distritos, Ecologia, Educação, Empresas, Governo, Habitação, Inclusão Social, Indústria, Infraestrutura, Lazer, Legislação, Meio Ambiente, Polícia, Rondônia, Saneamento, Saúde, Segurança, Serviço, Servidores, Sociedade, Solidariedade, Tecnologia, Transporte


Compartilhe