Governo de Rondônia
Domingo, 20 de outubro de 2019

TERRAS DA BR-319

Porto Velho diversifica riqueza agrícola além-ponte do Madeira

25 de janeiro de 2015 | Governo do Estado de Rondônia

alemponte4

Melkisedek, Sabrina e Samira colhem melancias

Distantes da região central de Porto Velho, pequenos agricultores além-ponte do rio Madeira cultivam arroz, milho, cupuaçu, mandioca, açaí, pupunha, feijão, soja e diversos hortifrutigranjeiros. Eles aguardam às margens da rodovia BR-319 (Porto Velho-Manaus) o momento de receberem o devido incentivo governamental.

Esperançosos, ­ tempos atrás eles se organizaram na Associação dos Produtores e Comunidades da BR-319 e Alto Mucuim (Aprocom). Agora, preveem que na primeira safra após a inauguração da ponte movimentarão R$ 400 milhões com as vendas de carne, leite e derivados em Porto Velho e Manaus, o que reflete o impulso decorrente do valor social e econômico da obra.

Antes mesmo da construção da ponte, produtores dedicados à agricultura familiar haviam atravessado o rio na antiga balsa, e hoje consolidam minifúndios nos quais diversificam hortifrútis, gado leiteiro e de corte e peixes em cativeiro. “A associação é um lugar de excelentes oportunidades, mas enfrenta a falta de estradas boas”, comenta o vice-presidente da Aprocom, Plínio Cella. Ele reivindica o serviço de hora-máquina para destoca e recuperação de áreas degradadas e calcário.

Capoeiras salvas

Cella já foi um os maiores produtores de soja da região, porém, dedica-se atualmente ao abate bovino e à criação de peixes. Informado a respeito da política governamental à produção sustentável, pretende aproveitar “o segundo tempo” do governador Confúcio Moura. Ele começou o levantamento das necessidades de cada um e promete levá-las brevemente a Porto Velho para, se possível, entregá-las pessoalmente a Confúcio.

Pés no chão, firme em seus propósitos, Cella lembra uma das lições de casa que a Aprocom tem feito com a melhor boa vontade: “Recuperamos capoeiras antigas, e eu considero isso de alcance inestimável para uma vida sustentável, porque evita abrir novas áreas para agricultura”.

A produção de grãos e de hortifrútis ainda não oferece precisão estatística, em virtude da falta de um trabalho completo do reconhecimento de pequenas propriedades. Mesmo assim, a Aprocom estima crescimento superior a 100%, em face da ocupação ocorrida no biênio 2013-2014 nas margens e adjacências da BR-319.

Produtos limpos de agrotóxicos

O plantio de hortifrútis levou famílias inteiras a deixarem empregos fixos estabelecidos na Capital para se dedicar exclusivamente ao campo. É o caso da Izaías de Jesus Oliveira, 29 anos, sua esposa Luzinete, 33, e os filhos. Exemplos de prosperidade, eles recuperaram áreas degradadas no sítio onde produzem alimentos limpos de agrotóxicos.

É comum famílias inteiras se movimentarem no plantio e colheita de alface, cenouras, abobrinha, pimentão, maxixe, couve, melancia, manga e outros hortifrútis.

Há um ano trabalhando numa área de 20 ha no Km 18, Gedean Alves Batista, 33, colheu nesta primeira safra pós-ponte seis toneladas de pepino, centenas de caixas de abobrinha, quiabo, cheiro verde, maracujá e algumas carretas de melancia. Para tanto, precisou investir suas economias.

“Tudo limpo de agrotóxicos”, ele garante. Batista disse nunca ter visto técnicos agrícolas ou engenheiros agrônomos na região – nem do município, nem do estado. “Eu sei que o governo e a prefeitura têm programas de incentivo à pequena propriedade rural, mas aqui pra gente ainda não chegou”, disse.

Acompanhado da esposa Sirley, dos filhos Melkisedek e Sabrina, e do pai Aldo Batista, 62, ele tem planos de ampliar a área de lavouras, porém, condiciona aos benefícios que reivindica ao estado. Lembra que, a exemplo dele, “centenas de pequenos agricultores” trabalham com sacrifício em lugares visivelmente inóspitos, utilizando carreadores abertos nos braços por falta de estradas. “Muitos aqui para dentro (nas linhas) perderam o que plantaram, porque não conseguiram tirar para fora (escoar)”, lamentou.

A propriedade de Batista está inserida numa área recentemente ocupada e apta para a produção de hortifrútis. “Eu espero que o governador Confúcio Moura, que tanto estimulou a pequena propriedade e a agroindústria em Ariquemes quando foi prefeito, determine o planejamento de medidas para incentivar o trabalho de tantos que vivem e trabalham na região. Se for preciso, a gente vi lá falar com ele, e eu tenho certeza que vai nos ouvir”.

 Documento da terra

“Não é nada fácil”, queixa-se Izaías Oliveira, o chefe da família. Lembra que a falta de assistência obriga as famílias a um esforço incomum para sobreviver. “O preparo da terra é impossível, se a gente não tiver dinheiro para a destoca e para adquirir calcário. Este aqui é comprado por saca e transportado de motocicleta”, relatou.

“Essa situação não pode perdurar”, lamentou. Trabalhando na propriedade de 20 hectares no Km 38 da BR-319, ele tem o apoio direto da esposa Luzinete e dos filhos. Recentemente, eles foram visitados pela equipe do Programa Terra Legal, do Incra, que executou o levantamento topográfico. Com isso, Izaías espera brevemente poder financiar a ampliação das lavouras e, sobretudo, custeá-las, aplicando-lhes a devida correção de solo com calcário e outros insumos.

alemponte5

Padovani: BR-319 nas prioridades

120 MIL PROPRIEDADES PRODUTIVAS

O secretário estadual de Agricultura Evandro Padovani também soube das dificuldades dessas famílias além-ponte e se mostrou disposto a atender reivindicações. “Tudo o que eles precisarem – aquisição de insumos, calcário, máquinas agrícolas, e serviços de abertura e manutenção de estradas – será possível a partir do momento em que as comunidades levarem suas demandas à Emater e à Seagri”, prometeu Padovani.

Segundo o secretário, Rondônia tem mais de 120 mil propriedades produtivas, daí a necessidade de cada comunidade rural apresentar o rol de reivindicações, habilitando-se aos benefícios da política de incentivos governamentais.

A ponte tornou viáveis projetos na região, ele acredita. Logo, demandas das comunidades da BR-319 são prioritárias. Padovani apenas ressalvou que elas devem observar o limite entre os estados de Rondônia e do Amazonas: “Um não pode, sem autorização, executar obras e serviços no domínio do outro”. Tão logo receber o relatório de demandas, o secretário ordenará o planejamento de ações. Ele solicitou aos agricultores que procurem o escritório local da Emater, onde se cadastrarão para obter benefícios oficiais.


Fonte
Texto: Cleuber Rodrigues
Fotos: Cleuber Rodrigues e Folha do Sul (Vilhena)
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Agricultura, Agropecuária, Água, Brasil, Comunicação Interna, Distritos, Ecologia, Economia, Educação, Empresas, Governo, Inclusão Social, Informativo, Infraestrutura, Legislação, Lei da Informação, Meio Ambiente, Municípios, Obras, Piscicultura, Previdência, Rondônia, Saúde, Segurança, Servidores, Sociedade, Solidariedade, Título Já, Transporte


Compartilhe