Governo de Rondônia
Terça, 25 de setembro de 2018

PROTAGONISMO

Professor e alunos da rede estadual rondoniense irão a Portugal apresentar aplicativo que ajuda na identificação do TDAH

19 de junho de 2018 | Governo do Estado de Rondônia

Aplicativo foi desenvolvido por alunos do Carmela Dutra

Alunos e professor com viagem marcada para Portugal e apoio docente para elaboração de um artigo científico. Esses são alguns dos resultados alcançados após a criação do aplicativo TDAHmente por alunos do Instituto estadual Carmela Dutra, em Porto Velho, sob orientação do professor e especialista em novas tecnologias, Cleiton Araújo, que tem no currículo experiências exitosas com projetos de aprendizagem e de uso das novas tecnologias.

O aplicativo faz parte de um projeto de iniciação a pesquisa científica. Ele ajuda na identificação e conscientização de estudantes com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). O professor fala que o aplicativo vem para substituir os formulários utilizado por profissionais da educação, psicólogos e orientadores, que ministram para diagnosticar o TDAH.

O trabalho recebeu um respaldo ainda maior após conhecimento por parte do médico e psiquiatra da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Luiz Carlos Rohde, uma das maiores referências mundiais em psiquiatria de TDAH do mundo – com 16.500 citações em obras científicas –, presidente da federação internacional de TDAH na Alemanha e também do  7º Congresso Internacional de TDAH no Canadá.

Rohde vendo que o aplicativo utilizou as informações do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Americana de Psiquiatria (DSM IV) e que foi transformado no aplicativo, e já com uma ótima repercussão na área de educação e científica, o especialista manifestou que a equipe participe do 7° Congresso Mundial de TDAH que ocorrerá em Lisboa Portugal, evento que vai acontecer em abril de 2019, onde ele é o presidente.

Para participar desse congresso, o professor Cleiton disse que será construído um artigo, que irá apresentar a ferramenta através de um artigo científico. Para isso ele contará com apoio das professoras Rogéria, da Universidade Federal Triângulo Mineiro, Neide, da Universidade Federal de Rondônia, e do psiquiatra Dr. Robinson, e que deve ir também ao congresso.

Com essa repercussão positiva e potencial comprovado, ele participou de uma reunião na Secretaria Estadual de Educação (Seduc), onde conseguiu obter a garantia de que a Secretaria irá pagar as passagens aéreas dos alunos e professor para Portugal, providenciando que isto seja incluído no PPa deste ano, para que não tenha imprevistos com troca de gestão e Governo, sendo este projeto já inserido como plano de execução para 2019.

“Isto ocorrerá através da Ferocit que expõe projetos de Rondônia em outras feiras de outros estados, mas desta vez indo mais longe, explicou professor Cleiton.

Professor fala à secretária sobre o projeto

De acordo ainda com Cleiton, a secretária da Seduc, Maria Angélica Silva Ayres Henrique, ficou muito satisfeita com o trabalho e disse que espera que a ferramenta seja a campeã da Ferocit 2018.

Disse ainda que ficou lisonjeada e orgulhosa pela participação desse projeto desenvolvido na rede pública de ensino em um congresso Mundial e que este projeto pode se tornar uma referência de ferramenta pedagógica a ser utilizada por instituições de ensino do estado, principalmente na educação especial, que carece de ferramenta s tecnológicas como esta, que é de grande aproveitamento.

Na oportunidade da reunião, a secretária realizou o teste e ficou surpresa com o resultado, de possível diagnóstico TDAH.

“Aproveitamos para explicar a ela, que todo ser humano, possui índices de hiperatividade, desatenção e impulsividade, isto é normal, não existe um padrão de pessoas perfeitas, mas que segundo os resultados do nosso aplicativo, a pessoa possa fazer uma reflexão pessoal, para ter apropriação e conhecimento e tomar a decisão pessoal de procurar ajuda de um profissional, caso considere que este resultado demonstre a necessidade de ajuda”, explicou.

Inicialmente o http://tdahmente.com foi uma evolução do “Aluno Digital”, utilizando toda a experiência adquirida e transformada com o projeto que divulgou o trabalho do professor Cleiton Araújo, especialista em novas tecnologias, e alunos do Instituto Carmela Dutra – Ruan Azzi Monteiro 1° ano, Aldo Lery 3° ano e Luciendryl Bryan Schirlaa, do 2º ano.

O “Aluno Digital” foi campeão da Feira de Rondônia Científica de Inovação e Tecnologia (Ferocit), e ajudou a desenvolver outro trabalho, agora voltado para a área de saúde e tendo como base um aluno, integrante de sua equipe de criação e desenvolvimento, que era hiperativo, Robert Willian, que hoje não está mais no grupo e foi substituído por Ruan.

TDHAmente

O estudante Luciendril Bryan Schirlaa disse que a intenção desse projeto é integrar a tecnologia com a pessoa, e na questão da saúde, como é o caso do aplicativo, ele ressaltou que a saúde está sempre evoluindo e junto com a tecnologia, que hoje ocupar o lugar dos livros.

Professores, médicos e profissionais que lidam diretamente com esse tipo de deficiência no tratamento com jovens não tinham um referencial mais completo para realizar um diagnóstico ou aplicar um método claro e eficiente para tratamento, a não ser em publicações defasadas e era tudo feito de forma manual.

“Hoje não, temos essa ferramenta onde o aluno pode fazer, o pai do aluno pode fazer, o professor também, assim como toda a comunidade pode fazer. É um trabalho científico que traz além do ensino, onde os alunos aprendem programação, aprendem a pesquisar. Estamos com esse trabalho trazendo extensão, pois ele já vai ser trabalhado no CAPs Infantil”, completou o professor.

“Estaremos com minicursos em escolas. Precisamos de mais alunos capacitado no projeto para divulgar o trabalho e desenvolver as. Atividades de extensões.  Não temos no projeto alunos do ensino fundamental”, observou Cleiton.

A parceria com outras escolas e a divulgação do projeto, que vem sendo muito bem aceito e servindo de referencial, vai abrir essa oportunidade.

Leia mais:

  Professor e alunos do Instituto Carmela Dutra desenvolvem aplicativo para auxiliar no diagnóstico do TDAH


Fonte
Texto: Aurimar Lima
Fotos: Cristian Magno
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Brasil, Educação, Governo, Municípios, Rondônia, Servidores


Compartilhe