Governo de Rondônia
Quinta, 04 de março de 2021

RONDÔNIA RURAL SHOW

Projeto de piscicultura consorciada deve impulsionar a produção de peixe em Rondônia

17 de maio de 2016 | Governo do Estado de Rondônia

Um projeto arrojado para impulsionar a piscicultura e a lavoura consorciada, no âmbito da agricultura familiar, é a meta do governo de Rondônia, com a implantação do Sistema Integrado de Piscicultura para Agricultura Familiar (Sispaf), que será lançado na abertura da 5ª Rondônia Rural Show, no próximo dia 25, em Ji-Paraná.

Sistema

Sistema consiste na implantação de tanques de lona suspensos e enterrados para facilitar o manejo dos peixes

Segundo Jander Plaça, gerente de Aquicultura e Pesca da Secretaria de Agricultura (Seagri), o projeto como foi concebido é totalmente novo, embora haja alguns similares particulares. O que difere, de acordo com sua explicação, é proposta de produção e o alcance social de seus resultados, tendo em vista que se trata de uma metodologia capaz de revolucionar o modelo produtivo tradicional, com a inserção de técnicas novas de produção conjunta de peixe, açaí, banana, cacau e até capim, entre outras.

O sistema consiste na implantação de tanques de lona suspensos e enterrados para facilitar o manejo dos peixes e dos resíduos produzidos, que separados são destinados à compostagem e irrigação. Os resíduos sólidos transformam-se em adubo para as lavouras frutíferas e para as áreas de pastagem, enquanto que a água substituída nos tanques – rica em nutrientes – é destinada à irrigação e adubação das hortaliças, tudo no âmbito da agricultura familiar.

De acordo com o médico veterinário, Carlindo Filho, o Maranhão, da equipe da Seagri, a vantagem da produção consorciada é a possibilidade que se tem de diversificar a produção nas pequenas propriedades. Ele lembrou que a banana, por exemplo, além de mercado garantido, é atualmente um dos produtos mais valorizados dentro e fora do Estado de Rondônia, assim como o açaí.

EMPRESA DO ACRE VAI DAR SUPORTE

Maranhão anunciou também que o projeto prevê a parceria com a empresa acriana Peixe da Amazônia, que vai fornecer alevinos, financiar a ração e comprar toda a produção de peixe – pirarucu, tambaqui, pintado e outros -, o que deverá resolver o entrave da comercialização, considerado o principal problema dos produtores de peixes de Rondônia.

Inicialmente, para implantação deste projeto, o pequeno produtor terá que fazer um investimento de cerca de R$ 20 mil para a compra dos tanques. Mas, de acordo com Jander Plaça, a equipe da Seagri já está fazendo gestões e trabalhando para garantir no orçamento do estado do próximo ano os recursos necessários para financiar os tanques. Assim, o estado financia o projeto para o pequeno produtor, e ele paga o financiamento com a própria produção – peixes, hortaliças e frutas – que será destinada ao atendimento de programas oficiais, como merenda escolar e alimentação nas unidades de saúde e presídios.

Pelo menos 12 unidades deste projeto já funcionam no estado, com incentivo do governo, segundo o gerente da Seagri. Em Porto Velho, os principais são o Piraçaí, projeto piloto de cultivo de açaí e pirarucu implantado no Reassentamento Santa Rita; e o Piraleite, implantado na BR-364, km 15, numa propriedade de produção consorciada de peixe e capim mombaça, em sistema rotacionado que, como o Piraçaí, vem apresentando excelentes resultados.

Outros dois projetos foram implantados com bons resultados em Ariquemes, e mais quatro estão em andamento na Escola Técnica Abaitará, no município de Pimenta Bueno, com boas perspectivas de produção.

Confira todas as notícias da Rondônia Rural Show


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Cleuber R Pereira
Fotos: Ésio Mendes
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Agropecuária, Governo, Piscicultura, Rondônia


Compartilhe