Governo de Rondônia
Quarta, 05 de maio de 2021

Rodovia é fechada em Jacy Paraná por 48 horas

26 de março de 2014 | Governo do Estado de Rondônia

Coletiva de Imprensa da Defesa Civil

Coletiva de Imprensa da Defesa Civil

O tráfego de veículos pela BR-364, que estava restrito em razão da inundação das pistas em diversos pontos e o surgimento de buracos de grandes proporções, se agravou ainda mais. O trânsito foi suspenso temporariamente no distrito de Jacy Paraná para evitar acidentes, pois as condições atuais não oferecem a segurança necessária aos usuários. O anúncio foi feito ontem pela Defesa Civil Estadual, que adotou a decisão após consultar representantes regionais da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Departamento Nacional de Infraestrutura de Trânsito (Dnit).

Quando o tráfego for restabelecido, só será liberado para caminhões com cargas essenciais. A triagem será feita no posto da Polícia Rodoviária Federal. As interferências ocorrem em razão da enchente do rio Madeira, que já atingiu mais de 20 mil pessoas nos municípios de Porto Velho, Guajará Mirim e Nova Mamoré.

A suspensão do trânsito de veículos ocorre no trecho que compreende a sede do distrito de Jacy-Paraná e a liberação pode ocorrer amanhã (28), se ficarem prontos os ancoradouros das balsas que serão instaladas para o transbordo dos veículos. Do ponto, em Jacy-Paraná, a embarcação seguirá até um porto, no mesmo distrito, onde os veículos serão desembarcados e iniciarão uma viagem terrestre, em que passarão por regiões alagadas. Na localidade de Palmeiral, os caminhões farão outro trecho da viagem de balsa até a antiga sede do distrito de Mutum-Paraná. Outra parte da viagem inicia-se pela rodovia até Abunã, onde embarcam na terceira balsa.

Mapa da PRF

Mapa da PRF

Segurança

Esta providência está sendo adotada, segundo o inspetor João Carlos Ribeiro, da Polícia Rodoviária Federal, para garantir a integridade dos usuários da rodovia e para evitar o total colapso de abastecimento de bens essenciais às populações da região de Abunã e do estado do Acre, que depende da BR 364.

O superintendente regional da PRF, inspetor Simões Alvarez, explicou que as forças que atuam neste momento na BR-364 estão sendo obrigadas a inovar nas intervenções.  “Estamos diante de uma situação atípica que nos faz reescrever as condutas para este tipo de desastre, pois enfrentamos situações adversas que surgem todos os dias”, afirmou.

Alvarez disse ainda que há uma grande mobilização para que a BR-364 não fique totalmente interrompida e também para evitar que motoristas fiquem expostos ao risco quando transitarem com suas cargas. Ele citou o fato de que até o momento, enquanto ocorrem as intervenções na rodovia por conta da enchente do rio Madeira, não foram registrados acidentes. “Mas, certamente, se o tráfego fosse normal teríamos até ocorrências com mortes por conta dos casos de imperícia”.

Reforço

O coronel Lioberto Caetano, coordenador estadual da Defesa Civil, anunciou que a Secretaria Nacional da Defesa Civil já confirmou que encaminhará para Porto Velho um helicóptero para ser utilizado nas operações cotidianas de enfrentamento do desastre. Também serão liberadas pequenas embarcações para o transporte de pessoas nos trechos inundados. Outros reforços virão com cerca de 40 policiais da Força Nacional de Segurança, além de policiais rodoviários.

O superintendente regional do Dnit, engenheiro Fabiano Cunha, disse que os ancoradouros para as balsas devem ficar prontos nos próximos dois dias, mas a operacionalidade depende de fatores como o clima e a força da correnteza do rio. Ele também falou sobre os gastos com as obras de reconstrução. “Fiz uma estimativa anterior, com base em comparativos disponíveis e calculei em R$ 200 milhões. Mas ainda não dispomos de dados técnicos para avaliar quanto será gasto”, acrescentou.

Fabiano vai hoje (27) a Brasília para reunir-se com a direção geral do Dnit a fim de definir o início do trabalho de uma consultoria técnica, que iniciará dentro de poucos dias um estudo topográfico e geotécnico. Os consultores emitirão um laudo que permitirá saber o impacto da enchente na rodovia e, a partir daí, definir como serão as obras de reconstrução.

Estratégias

O coronel bombeiro Ronei Cunha da Conceição, que representa o Corpo de Bombeiro do estado do Acre, disse que neste momento o desastre atinge 800 mil acreanos que dependem da BR-364. Ele acentuou que a ação conjunta da Defesa Civil dos dois estados e dos organismos de apoio tem contribuído para fazer com que o impacto da enchente seja amenizado. “É preciso deixar claro que tudo está sendo feito para reduzir os danos às populações e que, nesta missão, é preciso mudar as estratégias todos os dias, tantas são as situações novas que surgem”, concluiu.

 


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Nonato Cruz
Fotos: Decom
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Governo, Rondônia, Trânsito


Compartilhe