Governo de Rondônia
Terça, 18 de maio de 2021

Rondônia busca cooperação para ocupação do Complexo Rio Madeira

14 de junho de 2012 | Governo do Estado de Rondônia

A proposta da visita, segundo o titular da CGAG, é trocar informações e orientar a equipe responsável pela ocupação do CRM, que também foi a Minas Gerais conhecer o funcionamento da Cidade Administrativa, adotada como modelo pelo governador Confúcio Moura. Construída a 30 quilômetros do centro da capital, Belo Horizonte, a sede do governo mineiro teve o processo de ocupação coordenado por um núcleo administrativo, que se tornou Intendência, ligada à Secretaria de Planejamento, da qual fazem parte Marilene Campos, diretora do Núcleo Operacional; William Peter, coordenador de Tecnologia da Informação e Comunicação; e Gabriel Rodrigues, diretor de Licitações.

Valdo Alves explicou, que além das reuniões, que servirão para mostrar as ações implantadas e em andamento pelo governo de Rondônia, nesta sexta-feira, às 8h, a equipe irá conhecer a estrutura do CRM para poder emitir opiniões ou orientações mais específicas. “A vinda da equipe mineira ocorre não apenas em retribuição à ida da equipe de Rondônia a Minas Gerais, mas para reforçar a troca de informações e interação para o início da ocupação do Complexo Rio Madeira em setembro”, disse, Alves, acrescentando que o que se busca é a cooperação no sentido de agilizar a mudança, como pretende o governador, para oferecer ao público e servidores espaço mais adequado, com conforto, comodidade, integração de serviços e economia, evitando-se desperdícios com papel e outros materiais de expediente.

Na primeira reunião, que contou também com a presença do diretor de Tecnologia da Informação de Rondônia, Marcelo Braga e outros técnicos da CGAG e Deti, Marilene Campos lembrou que as dificuldades sempre existirão, por isso é fundamental a determinação do governador para quebrar as resistências comuns em toda mudança. O titular da CGAG garantiu que o governador está empenhado neste processo e para facilitá-lo foram formadas comissões, com três membros de cada órgão; distribuídas cartilhas aos servidores, seguidas de reuniões para que as particularidades sejam expostas com vistas às adequações antes da mudança.

Conforme Marilene, enquanto o CRM abrigará 30 secretarias que hoje ocupam 37 prédios na capital rondoniense, com pouco mais de cinco mil servidores, na Cidade Administrativa mineira são 16 mil servidores, incluindo-se os prestadores de serviços, distribuídos em 52 órgãos. “Poucos órgãos permanecem em prédios alugados, mas a intenção é deixar apenas o de atendimento ao público no centro da cidade”, adiantou Marilene.

Ainda sobre o CRM, a diretora disse ter ficado “encantada” com a economia que será proporcionada aos cofres do Estado, estimada em mais de R$ 30 milhões ao ano, sem contar os custos da Sesau e outros órgãos, enquanto a Cidade Administrativa gera R$ 90 milhões.

Pelo cronograma da CGAG, os primeiros prédios a ser ocupados serão o Reto 1 (Rio Guaporé) pela Secretaria de Educação; e o Curvo 3 (Rio Jamari) pela Sefin, Deosp, DER, CGE, Seas, Supel, Seagri, Secel, Anvisa e Idaron. Até dezembro serão o Reto 2 (Rio Cautário) pela Seplan, Sedes, Sejus, Sesdec, CGAA e Sead; Curvo 4 (Rio Machado) pela Sesau; e Rio Pacaás Novos, sede do governo, que abrigará ainda a Casa Militar, gabinete da primeira dama, do vice-governador, cerimonial, Casa Militar, Cotel, CGAG (que será transformada em Superintendência), Decom, Seae, Seplan, Sefin, PGE, SER, Protocolo, Reprografia, informática e estacionamento.


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Governo, Rondônia, Tecnologia


Compartilhe