Governo de Rondônia
Sexta, 25 de junho de 2021

SEGURANÇA PÚBLICA

Rondônia registra queda nos índices de homicídios; maioria dos crimes é motivada por tráfico de drogas

24 de julho de 2015 | Governo do Estado de Rondônia

O número de homicídios praticados em Rondônia, no primeiro semestre desse ano, foi 4,6 % menor se comparado com o mesmo período do ano passado.  O dado foi divulgado pela Secretaria de Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec).

Embora a capital tenha apresentado aumento no número de assassinatos, motivados em sua maioria pelo tráfico de drogas por acerto de contas entre donos de bocas de fumo, no interior do estado houve  recuo de 17,7% nos homicídios.

Secretário de Segurança, Antônio Carlos dos Reis, diz que a Sesdec através de suas Instituições policiais vem trabalhando para melhorar a segurança

Secretário de Segurança, Antônio Carlos dos Reis

O secretário da Segurança, Antônio Carlos dos Reis, disse que a Sesdec trabalha para melhorar a segurança e reduzir o número de ocorrências a patamares mais aceitáveis. “Para os gestores e profissionais de segurança pública toda morte é lamentável e incomoda. O ideal seria termos índices europeus, mas vivemos em uma sociedade violenta e o Brasil convive com problemas e deficiências em várias políticas sociais. Tudo repercute e deságua na segurança pública”, diz.

“No caso de Porto Velho, a desaceleração das obras das usinas aliada à atual crise econômica, com a diminuição da oferta de trabalho, são circunstâncias que acreditamos afetar os índices de criminalidade que havíamos conseguido reduzir nos anos anteriores”, avalia Antônio Reis.

Para o delegado Francisco Borges Neto, da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Vida, é importante observar as causas da criminalidade. Segundo ele, o homicídio é um crime comum, com várias circunstâncias em seu entorno, que pode estar ligado a outros crimes, como também pode ser por motivações subjetivas, ou seja, motivações pessoais, como uma briga familiar, crime passional, discussão, desavenças em bar e brigas de trânsito.

Borges menciona que cada caso é um caso e por isso se torna difícil especificar uma causa que leve ao homicídio, e que tudo depende do comportamento do agenteEntretanto, alerta o delegado, aquelas pessoas que vivem à margem da lei têm predisposição devido às situações de risco e conflito em razão de ilegalidades que praticam.

ÍNDICES

Delegado Francisco Borges

Delegado Francisco Borges

“Em torno de 60% a 70% do número de mortes registradas tem envolvimento com atividades ilícitas praticadas pelas vítimas ou infrator. As dívidas por causa de drogas lideram o ranking, uma vez que se compra fiado e não se satisfaz a dívida com o traficante; isso gera o acerto de conta com a execução das vítimas”, diz o delegado.

Indagado quanto aos bairros de maior índice de homicídios, Francisco Borges revela que a fatalidade pode ocorrer em qualquer lugar, mas em alguns casos as políticas públicas diminuiriam o número de mortes. “Os homicídios devem ser vistos como um problema social, pois grande parte deles ocorre em regiões carentes, onde há ausência do poder público. Na capital abrange principalmente regiões da zona leste e parte da região sul”, declarou.

O delegado Borges ressalta que, com a intensificação das  diligências, a delegacia apresenta resultados positivos. Ele evidencia, também, a contribuição dos policiais pelo conhecimento abrangente da cidade e as informações prestadas pela população pelo disque denúncia 197. “A ajuda da população é essencial pelos canais de denúncia anônima”, destacou.


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Márcia Martins
Fotos: Arian Oliveira
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Polícia, Rondônia, Segurança


Compartilhe