Governo de Rondônia
Sexta, 20 de abril de 2018

A EpR

Governo do Estado de Rondônia

A Superintendência de Estado para Resultados (EpR) foi criada pela Lei Complementar nº 827, de 15 de Julho de 2015, com objetivo de prestar assessoramento direto ao Governador nas atividades do planejamento e nas tomadas de decisão.

Tem como atribuição elaborar, adaptar e administrar métodos, rotinas e procedimentos; criar e operacionalizar instrumentos e ferramentas gerenciais, em nível central. Exerce o papel de controle e representação governamental, além de realizar a gestão do conhecimento e o exercício de integração das unidades governamentais, segundo as atividades abaixo:

 1. Avaliação do desempenho das organizações.

Sistema de Gerenciamento de Programas e Projetos – SGPP é uma das inovações de alta relevância ao processo de Modernização da Gestão Pública, diretriz do Plano Estratégico (2013-2018), projetado entre os anos de 2011 e 2012. A partir desta ferramenta, será possível a realização permanente de monitoramento e avaliação das ações governamentais de forma rígida e transparente, sobretudo, no que tange ao controle das atividades, além do acompanhamento de todos os processos e recursos financeiros de cada iniciativa.

 2. Concepção de estruturas e modelos de gestão.

Para viabilizar a Modernização da Gestão Pública, foi necessário um conjunto de medidas envolvendo criação de modelos mais adequados à boa condução das ações de governo e de estruturas mais modernas, capazes de respaldar o novo modo de administrar a máquina pública.

A criação da Diretoria Executiva de Tecnologia e Informação e Comunicação – DETIC foi pensada como forte apoiadora da superintendência no desenvolvimento, implantação e automação de sistemas de informação, com objetivo de oferecer suporte aos processos decisórios na gestão das diversas instituições de governo. A assessoria da diretoria está relacionada às politicas de hardware, sistemas operacionais e plataformas de desenvolvimento, norteadas pelas deliberações do Conselho Estadual de Planejamento em Tecnologia da Informação e Comunicação. O projeto mais audacioso da diretoria é a implantação da infovia; infraestrutura de comunicação que respaldará um conjunto de serviços oferecidos pelo governo à população.

Escritório de Gerenciamento de Planos e Projetos – EGPP foi criado com a finalidade de pensar, desenvolver e difundir modelos e padrões inovadores adequados às novas exigências da administração pública, além de acompanhar, monitorar e avaliar os programas, projetos e processos voltados à economicidade e alto desempenho da gestão, além de traçar perfis e competências gerenciais, alinhados à estratégia governamental.

O novo Modelo Integrado de Gestão Orientado para Resultados foi projetado de acordo com a realidade da Administração Pública do Poder Executivo de Rondônia. O modelo compreende a cultura do planejamento único de governo e o exercício de integração das políticas públicas por meio da transversalidade nas diversas áreas de atuação; o estabelecimento de trâmites modernos na rotina de processos e ao desafio no alcance de metas; a incorporação de ferramentais de monitoramento e avaliação; o acompanhamento das ações por meio de reuniões periódicas na Agenda Integrada de Resultados – AGIR.

 3. Otimização da alocação de recursos para o alcance dos resultados.

Uma das medidas de maior peso da EpR foi implantar a cultura do planejamento em nível estratégico, envolvendo o processo de elaboração e revisão do Plano Estratégico, além da realização do alinhamento de metas, programas e projetos, periódica ao Plano Plurianual do Poder Executivo Estadual. Visando maior controle e transparência no gasto dos recursos públicos, foi realizado o processo de compatibilização da estratégia ao orçamento, assegurando a cobertura dos Programas Estruturantes e dos Projetos Prioritários.

4. Controle, em nível central, das atividades de administração geral da Administração Pública Estadual, sem prejuízo das atribuições dessa natureza já conferidas a outros órgãos.

No início de 2011, todas as ações governamentais passaram por um processo de consolidação e incorporação às rotinas da Secretaria (hoje superintendência). O processo compreendeu desde a sistematização da informação até a priorização das ações consonantes às diretrizes da estratégia e ao desenvolvimento econômico e social do Estado. Para isso, foram elaboradas e aplicadas metodologias e instrumentais de integração de programas, projetos e ações. As Mesas Integradoras foram um passo fundamental para o início do relacionamento das Secretarias, logo, de todas as ações governamentais. A prestação de serviços de assessoramentos a todas as unidades do Poder Executivo e as atividades de sistematização dos dados foram passos posteriores e de grande relevância ao processo. A categorização das ações e metas, além da realização de reuniões periódicas com os titulares e técnicos das unidades administrativas, fortalece o processo, além de validar todo o conteúdo estabelecendo assim o Pano Estratégico.


Compartilhe


Twitter
Facebook
Youtube