Governo de Rondônia
Terça, 26 de janeiro de 2021

TRANSPOSIÇÃO

Servidores estaduais aposentados devem ser transpostos no primeiro semestre de 2021

14 de janeiro de 2021 | Governo do Estado de Rondônia

arquivo

No Palácio Rio Madeira, Segep mantém arquivo com fichas originais de ex-servidores territoriais

Servidores estaduais aposentados poderão ser aprovados para a transposição ainda no primeiro semestre de 2021, afirmou hoje (11), o superintendente estadual de gestão de pessoas, Sílvio Luiz Rodrigues. A notícia alentadora dada pelo Governo de Rondônia atende a expectativa de todos os que não foram atendidos em seus pleitos. Aproximadamente 50 pessoas que ainda não haviam se manifestado, com a ajuda da Superintendência Estadual de Gestão de Pessoas (Segep) e de sindicatos, reuniram documentos comprobatórios e os enviaram à Comissão Especial dos Ex-Territórios Federais de Rondônia, do Amapá e de Roraima (Ceext).

Foi um esforço da Segep para a última portaria do ano, quando a Divisão de Pessoal do ex-Território Federal de Rondônia (Digep) nos mandou o pedido para que ajudássemos. Dos 50, conseguimos 33”, explicou Sílvio Rodrigues.

Segundo ele, ocorreram algumas mudanças em dados pessoais que tornou moroso o processo, como: troca de nomes de solteiro e de casado, ou de números de CPF e RG. No entanto, ele garantiu que a Segep está à disposição. “Se alguém nos chamar, iremos atrás de encontrar um servidor”, afirmou Rodrigues.

No intuito de otimizar o andamento do processo, a Segep trabalha na elaboração de uma relação separada com o nome dos servidores aptos a transpor, organizada por ano, número de Portaria. Porém, não receberam a Portaria com o número do Sistema Integrado de Administração de Pessoal (Siape). A Comissão Especial dos Ex-Territórios Federais exige o vínculo profissional do servidor, o que tem dificultado a transposição de alguns. Segundo o superintendente, as tratativas por videoconferências com a Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital substituíram visitas presenciais em Brasília. Até o ano passado, o Estado dispunha de apenas três profissionais em Brasília, para analisar e despachar processos, agora terá 13, assim que for concluído o processo de contratação.

Superintendente prevê agilização de processos de servidores estaduais aposentados

O superintendente lembra que, de 1981 a 1988 [ano da promulgação da atual Constituição Brasileira] os servidores eram celetistas com carteira assinada.

Os servidores do ex-território submeteram-se a um concurso em, pelo qual passaram a ser estatutários. Rodrigues lembra, por exemplo, que fato de ser agente administrativo já tinha vantagem o concurso. Alguns optaram por entrar no regime estatutário em outro cargo e foram aprovados; então, eles tinham no regime celetista um cargo, e no estatutário, outro”, explicou. Segundo Rodrigues, essa situação configurou a quebra de vínculo, impossibilitando ao servidor ser transposto.

Por causa da pandemia do novo coronavírus e do consequente distanciamento social, em 2020 não foi possível à Comissão aprovar muitos processos, mas o Governo de Rondônia espera uma retomada no primeiro semestre de 2021.

COMO FICOU

Mudada a sistemática da transposição de recepção da informação, Rodrigues estuda com a comissão estadual meios eficazes para atender aos futuros contemplados. Anteriormente, ele explica, o Governo Federal concordava com o fato de a pessoa virar servidora federal e lhe pedia (por documento) que também concordasse em estar no cargo declarado. “O documento voltava a Brasília e dava origem à portaria da transposição do servidor, e outra portaria equivalente aqui à nossa matrícula; lá é Siape”, assinala.

Na Câmara dos deputados tramita Proposta de Emenda à Constituição prevendo critérios que unifiquem a transposição dos servidores públicos dos ex-territórios de Rondônia, Roraima e Amapá. A medida possibilitará que muitos servidores integrem quadro em extinção da administração pública federal, tendo suas remunerações e proventos pagos, de forma permanente, pela União. 

Se aprovada, a medida contempla o enquadramento de todos aqueles que mantiveram vínculo mínimo de seis meses de trabalho com a administração dos ex-territórios, incluindo policiais civis e militares, durante os dez primeiros anos de criação dos respectivos estados. 

O QUE OCORREU APÓS A MUDANÇA

Segundo Sílvio Rodrigues, a Segep não faz mais a ponte entre o servidor e a Comissão de Transposição, ela passou a ser via Correio ou pela Divisão de Pessoal do Ex-Território Federal de Rondônia (Digep), no bairro Embratel, próximo à Câmara Municipal. Saiba mais, acessando o SIAPEnet.


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Daiane Mendonça e Frank Néry
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Economia, Governo, Meio Ambiente, Previdência, Servidores


Compartilhe