Governo de Rondônia
Quinta, 24 de maio de 2018

REINSERÇÃO SOCIAL

Sistema Prisional de Rondônia recebe recurso do Fundo Penitenciário para capacitação de reeducandos

26 de janeiro de 2018 | Governo do Estado de Rondônia

O Fundo Penitenciário (Fupen) destinou verba de R$ 617.160 mil, atendendo a 1.300 reeducandos do sistema prisional de Rondônia somente no mês de janeiro. Onze cursos diferentes foram oferecidos.

A Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) desenvolve o atendimento de reinserção social para os reeducandos do sistema prisional. Os presos do regime semi-aberto trabalham em forma de convênios firmado entre secretarias, prefeituras e outros órgãos parceiros.

Apenados trabalhando na revitalização das redes hidráulicas da Caerd

Os internos prestam serviços nas áreas de construção civil, atividades agrícola, em suporte administrativo e sempre há expectativa para exercer novas funções. Tudo depende dos acordos feitos com os colaboradores do Estado. Em 2017, foi atendido um total de 3.163 reeducandos.

Os benefícios do trabalho de ressocialização são diversos. Segundo a Gerência de Reinserção Social, a criminalidade diminui, trazendo segurança a sociedade, onde devolve ao reeducando a dignidade da pessoa humana. Fábio Recalde, chefe de núcleo da reinserção social da Sejus, diz que o objetivo é devolver para sociedade pessoas capazes de conseguir o sustento diário, não tendo mais motivos para realizar crimes. “Todos dentro do sistema têm a oportunidade de aprender uma profissão e fazer a diferença quando sair da cadeia”.

Conforme o Secretário de Justiça Marcos Rocha, o critério usado para selecionar os reeducando que vão prestar serviço fora da unidade acontece quando o detento entra no regime semi-aberto. Eles preenchem uma ficha, e são inseridos no banco de dados, conforme as vagas vão surgindo eles são convocados. Passam por entrevista para analisar qual o melhor lugar para desenvolver as atividades laborais. “Não adianta colocar um agricultor para trabalhar com mecânica, a não ser que ele queira e tenha feito antes um curso de capacitação,” esclareceu Marcos Rocha.

Ele explica que o monitoramento é feito de três maneiras: a Sejus recebe relatório mensalmente referente à folha de ponto do reeducando, todos devem usar tornozeleira eletrônica e cada setor que faz parceria com a Sejus delega uma pessoa para observar o comportamento do apenado dentro do processo de ressocialização. “Estamos aqui para ajudar quem realmente quer mudança de vida”, pontuou o secretário.

A Sejus pretende aumentar o número as vagas de trabalho para os reeducandos a partir do momento em que novos convênios sejam firmados. Novos cursos de capacitação já estão em andamento. No dia 29 de janeiro começa o curso de auxiliar administrativo, que deve contemplar 20 apenados do regime semi-aberto de Porto Velho.


Fonte
Texto: Léia Castro
Fotos: Sejus
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Brasil, Capacitação, Contratos e Aditivos, Cursos, Governo, Inclusão Social, Justiça, Rondônia, Segurança, Serviço, Servidores, Sociedade


Compartilhe


Twitter
Facebook
Youtube