Governo de Rondônia
Segunda, 08 de março de 2021

OLIMPÍADAS

Socioeducadores falam da emoção de conduzir a tocha olímpica em Porto Velho

24 de junho de 2016 | Governo do Estado de Rondônia

O socioeducador Éder Machado percorreu a avenida Jatuarana, na zona Sul da capital

O socioeducador Éder Machado percorreu a avenida Jatuarana, na zona Sul da capital

A data 22 de junho ficou marcada na história de Porto Velho como o dia em que a cidade recebeu a Tocha dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Durante todo dia, a chama percorreu a capital e trouxe a atenção do mundo para o estado. Representando os servidores públicos do estado, e em especial os da Secretaria de Estado de Justiça (Sejus), Eder Fernando Machado e Ângelo Rafael da Silva Cruz, socioeducadores da Unidade Masculina Sentenciada I dde Porto Veljho, percorreram 200 metros carregando a chama olímpica. Eder saiu da avenida Jatuarana, na zona Sul; e Ângelo saiu da avenida José Amador dos Reis, na zona Leste.

Socioeducador há sete anos, Eder Fernando Machado, 49 anos, falou da emoção em ter participado desse marco na história de Porto Velho. “Foi um fato único na minha vida. Carregar a chama olímpica foi carregar a união entre os povos, levando a amizade e a paz. Naquele momento me senti como o único habitante do planeta terra a estar com a chama olímpica nas mãos. Foi um privilégio de poucos. Meus familiares e colegas de trabalho estiveram presentes me prestigiando, acho que nessa geração não teremos mais a chama olímpica em nosso País”, relatou Eder.

Para o socioeducador Ângelo Rafael da Silva Cruz, 28 anos, carragar a chama olímpica foi uma experiência grandiosa. “Foram os 200 metros mais demorados e prazerosos da minha vida. Foi muita emoção vivida segurando um símbolo mundial. Ano passado enviei minha carta para o comitê olímpico, e nem esperava ser selecionado. Tantas pessoas queriam estar no meu lugar. Me preparei fisicamente e psicologicamente. A família e os colegas estiveram prestigiando, todos na mesma expectativa, até os próprios internos da unidade ficaram animados”, afirmou

O socioeducadorÂngelo Rafael,  percorreu a Avenida José Amador dos Reis,  zona Leste da cidade.

Ângelo Rafael percorreu a avenida José Amador dos Reis, zona Leste

O secretário de Justiça, Marcos Rocha, ressaltou a importância das Olimpíadas. “Este evento se refere àquilo que de mais valor nós temos que é a capacidade de superação, competição, respeito, saber vencer e saber perder. Tivemos dois socioeducadores fazendo a condução da tocha Olímpica. Para a Sejus foi um grande orgulho e alegria. Esses socioeducadores servirão de exemplos de boa conduta, índole e trabalho para os internos da unidade socioeducativa em que eles trabalham”, salientou.

Segundo o Comitê Olímpico, os condutores da tocha foram selecionados porque são pessoas que fizeram e fazem a diferença na sociedade ou na comunidade onde vivem. A primeira tocha foi acesa com a lanterna de segurança, a partir daí, o condutor percorreu com ela acessa por 200 metros até encontrar a próxima encostando uma na outra, com o “beijo” da chama.

Leia mais:
Forças integradas de segurança garantem tranquilidade no revezamento da tocha olímpica em Porto Velho


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Cíntia Xavier
Fotos: Maicon Lemes
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Governo, Justiça, Rondônia, Sociedade


Compartilhe